Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos

A VOZ DO SILÊNCIO

O silêncio falou alto,
Nesse sobressalto,
Senti tua voz dentro de mim.
As compreensões se entreolharam,
Num longo e breve tempo,
Viram tudo que amaram,
Voz suave, a do silêncio.
Preso por essa mudez
E numa liberdade tamanha,
Escutei muitas palavras,
Respondia sem alguma.
Diálogo ensurdecedor,
Em clara transparência d’alma,
No corpo total nudez.
Os olhos que se fitavam
Sorriram e tanto amaram,
No silêncio, dentro de mim.
Orgulhosa humildade
Àquela presença honrosa,
Não perdi o que dizias.
O tempo escasseava,
Parecia uma eternidade,
Do ‘kronos’ bem desatento.
Visto tudo o que amava,
Sensação de átimo em átimo,
Sempre e sempre a ressentir:
O silêncio dentro de mim.

Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 05/03/2010
Alterado em 05/03/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php