Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos

POETA IN EXTREMIS


Damião Cavalcanti

Tão somente isto eu sou,

Não há tempo para ser mais,
Como fruto amadurecido,
Que resulta da árvore e cai.
Na queda, sou tudo isto,
Ser além de poeta eu desisto.
Recuso-me a querer ter,
Lutar com desastrosos ventos,
Disputar caminhos, destinos,
Tomado pelo desalento
E cansado contra os desatinos.
Sou realizado no meu ser,
Não quero mais do que sou,
Para ser mais não tenho tempo.
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 23/03/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php