Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



A COLUNA PRESTES E OS VALENTES SERTANEJOS


   Muitas vezes, as nossas terras foram pisadas por pés de batalha: poucas perdidas, muitas vencidas. O perigo maior não foi o bélico, o derramamento de sangue, mas o da narração por alguém envolvido com um dos lados da luta ou da ideia de alguns lutadores, manipulando a história conforme intenções tendenciosas ou instrumentalizando-a a serviço de outras finalidades, quebrantando assim a inteireza do acontecimento. O pior é que se leve história distorcida à escola, ensinando-a a sucessivas gerações, mal que só pode ser revertido por uma revisão crítica que ressuscite a história morta para a viva, como lição do passado que explique o presente e previna o futuro. Assim é a deliciosa obra de Coriolano Dias de Sá, Roteiro da Coluna Prestes, escrita de maneira clara, direta e objetiva, podendo ser entendida pelo mais modesto leitor. 
   Destaca a passagem da Coluna pelo sertão paraibano e a memória da chamada Chacina de Piancó: presos e executados pela Coluna o Padre da cidade, soldados e alguns civis. O autor, testemunhado pela boca do povo sertanejo, descreve pegada por pegada da Coluna e como ocorreram cerrados tiroteios enfrentando defensores da Vila do Piancó, que tinham como líder principal seu Vigário, o Padre Aristides Ferreira da Cruz. Foi um vale de lágrimas: com superior poderio de fogo e de organização no combate, a Coluna Prestes se avantajou na luta, submetendo ao infortúnio o Padre Aristides e seus companheiros, que foram alguns emasculados, todos trucidados, degolados, sangrados um a um, como exemplo à população. Os tenentistas disseram que desejariam apenas acampar na cidade; acusaram o Padre Aristides de intransigência e de render-se ao estender bandeiras brancas como estratégia para, de surpresa, contra-atacar a Coluna. Já simpatizantes do Padre Aristides traçam os “gaúchos” e “paulistas” e militares estranhos, como bárbaros, “homens sem palavra e desumanos”.
   Assunto polêmico, que melhor se esclarece com a leitura da obra do Desembargador Coriolano, acrescendo o famoso livro do Padre Manuel Otaviano: Os Mártires de Piancó. O autor contou com a valiosa experiência do editor Evandro da Nóbrega, sertanejo, estudioso dos movimentos sociais no sertão dos euclidianos homens fortes. Sem pretensões de historiador, como confessa, Coriolano não nega à história o que dela conhece e o que a ela pertence, seguindo versos do imortal Fernando Pessoa: “O homem e a hora são um só, quando Deus faz e a história é feita. O mais é carne, cujo pó a terra espreita.”  
 

Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 02/05/2010
Alterado em 05/07/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php