Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



           PAPA-RABO, A JUMENTO; VASSOURA, A CAVALO
          
         
Nunca mais vi Vassoura montada a cavalo, paramentada de broches no peito e na lapela do casaco, empunhando numa vara a bandeira nacional, trotando no calçamento para fugir dos insultos, aos quais respondia: “Vassoura é a mãe!” Seu cavalo, entre carros ou nas calçadas, dava-lhe altura, distinguindo-a dos demais. Mesmo fora dessas circunstâncias, o cavalo sempre distingue o cavalheiro, como nossos heróis das revistas de quadrinho ou da novela “Jerônimo, Herói do Sertão”, cujo cavalo, no rádio, maravilhava-nos com belíssimo trote. Nos 7 de Setembro, lá estava Vassoura no desfile, entre colegiais, no passar das autoridades, toda patriótica, ancha do seu pomposo nome, Maria Isabel Bandeira de Melo, que ela própria “corrigia”: Bandeira Brasileira.
         
Nunca mais vi Vassoura.  Saiu de Gurinhém para viver cavalgando de Santa Rita a João Pessoa.  Com o cavalo, numa afeição nietzschiana, tentou entrar Palácio adentro para falar com o Governador Agripino. Como em todas as cidades, havia ou ainda há curiosas personagens: Papa-rabo do Pilar, de José Lins do Rego; Maria da Garrafa, de Itabaiana, com um encardido molambo a passar no nariz e um frango no ombro esquerdo, estivesse na Igreja ou na Rua do Carretel.  Em Guarabira, Chico do Baita de tudo sabia: o sapateiro que ia além do sapato; o “cientista político” Pai Herói e Salete Cobra, sempre à espera de um enterro para acompanhar o caixão até a última pá de terra, debulhando-se em prantos mais do que a viúva do morto. Galinha Baleada e Ferrugem, de Cajazeiras; Açoite, de Piancó, rodando uma pedra na ponta do cordão para “tirar fino” no queixo, com insistente desejo: “- Tomara que bata..., tomara que bata...”.  O campinense Engole Trave, engravatado, agredindo com palavrões quem zombasse da sua dificuldade de girar a cabeça, ou Biu do Violão, louco por Roberto Carlos, “cover” do “rei” em Campina; por lá desfila Pedro Cancha, modista de grife, o primeiro macho campinense a vestir saia para provar que “antes de tudo, a moda”, mesmo enfrentando preconceito.
         
Paranormais inteligentes, como o poeta Caixa D’água, sempre de paletó branco, vendendo seus livros, ou o tribuno Mocidade, de sábias ironias. Quem morreu? Quem ainda vive?... Pão de Bico, Pegueite, Garapa ou Davi, o dono do mundo, são imortais, folclóricos, alegria da nossa cultura. Amados pela cidade, o que talvez explique o povo necessitar, nas ruas, do bobo que divertia os reis nas cortes. Caberá perguntar: Por onde andará Vassoura?
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 19/07/2010
Alterado em 19/07/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php