Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                Porque traição se chama picada de escorpião

N
as tardes mornas que antecedem o verão, os escorpiões costumam sair, pela estrada, dos seus esconderijos , à procura de alimento. Se alojados nas nossas casas, caminham pelos cantos da parede, mais próximos do escuro. Mantêm seu habitat na escuridão: vivem sob pedras, madeiras; em tocas ou grutas; fugindo da claridade do sol, chegam até a se enterrarem na terra preta da mata ou na areia branca do deserto. Notívagos, caçam comida à noite, podendo suportar um jejum de muitos meses, em seus alojamentos. No acasalamento, praticam um ritual festivo e macabro: agarram-se pelas pinças numa curiosa dança e, após consumirem o ato, se faminta, a fêmea come o macho. Nem por isso, obedecendo ao instinto, os machos deixam de procurar as fêmeas.

E
ste peçonhento animal, temido pelo homem há cerca de 350 milhões de anos, é perseguido para ser dizimado. Mas, jamais conseguiram torná-lo “animal em extinção”. Alguns deles possuem venenosidade mortífera ao homem. Caso você seja picado, procure um posto médico, pois poderá sofrer uma crescente paralisia dos músculos respiratórios e morrer de asfixia entre cinco e sete horas. Presas menores falecem apenas com sete minutos. O Professor Antoine Leon, da Sorbonne, quando aqui veio, a nosso convite, para ministrar curso no Mestrado de Educação da UFPB, contou-me que os hotéis nas regiões do deserto são infestados de escorpiões , tendo ele dormido, num deles, com dois lacraus debaixo do lençol. Ao despertar com as picadas, pediu socorro médico, negado-lhe pelo gerente do hotel: “- Não precisa! O médico mora longe, e os escorpiões eram pequenos”. Leon teve de se contentar com a injeção vendida na recepção da hospedagem.

P
or razão ignorada, Dona Zilda sabia tudo sobre escorpião e temia até os pequenos lacraus. Contava-nos histórias e histórias, algumas mitológicas, como é o caso da do “escorpião rei”. Daí, haver tanto cuidado para que não existisse na sua casa animal peçonhento, sempre advertindo o filho Zeca : “-Os escorpiões estão por aí, não ande descalço!”. Esta admoestação se dirigia também aos colegas de Zeca, que se reuniam, descalços, na sua casa, para a pelada, encolhendo os pés sujos, porém prontos para qualquer brincadeira. Somente o filho lhe obedecia, até que, certo dia, Zeca , ao se calçar, foi picado pelo escorpião escondido dentro do sapato. Muitas comparações fazem entre os homens e os animais, em relação à luta pela sobrevivência, como, por exemplo, a de se proteger de eventual agressão traiçoeira. Nova lição foi tirada: antes de calçar, bater o sapato... E quem de escorpião foi picado teme o escuro dentro do sapato . Ou , como diz o povo: “quem de escorpião foi picado, a sombra o espanta”. E haja espanto ! Haja sombra! Haja escuridão!

Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 05/09/2010
Alterado em 06/09/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php