Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



          A discriminação político-ideológica
           
         
A ideologia é, por definição, um conjunto de ideias e valores, relativos à organização e ao funcionamento da sociedade, tendo a finalidade de orientar o trato com as coisas políticas e coletivas, mas que , no fundo, é movida por interesses de um grupo social. Há quem tema tanto a ideologia que chega a inventar o seu fim. Sobretudo quando ela exerce orientação imperativa sobre indivíduos, como um preceito dogmático, acima de todos os outros valores; crença política, que radicaliza o comportamento de não permitir que se pronuncie qualquer ideia divergente. É racional que alguém, contente com seu “status quo”, verbalize seu desejo: “Ideologia não existe mais”. Tal afirmação não deixa de ser, logicamente,  ideológica. Posto que a ideologia incomoda e ameaça a possuir mais adeptos;  a adesão a faz crescer, propagar-se, o que é, junto aos interesses, sua mola.
         
A discriminação é, por definição, a formação de dois grupos antagônicos, quando, na realidade,  pode existir neles até igualdade, o desejável. Porém, forma-se uma caracterizada separação maniqueísta: de um lado,  um “eu coletivo” (ego collectivus) e, consequentemente, no outro lado,  um “ outro coletivo” (alter collectivus). Por exemplo, os nazistas fizeram dos arianos seu “eu coletivo”, opondo-o  aos judeus , “o outro coletivo”; os machistas fazem dos homens o seu “eu coletivo”, discriminando as mulheres, seu respectivo “outro coletivo”.  E assim acontece quanto às raças, às religiões, às ideologias e quanto aos partidos políticos.
         
Tenho visto, na internet, nos horários  políticos, na mídia, a discriminação sendo reacendida em relação a posicionamentos políticos-ideológicos de alguns candidatos,  especialmente sobre atitudes assumidas em remoto passado da vida política do nosso país. Triste discurso. Assisti a filmes idênticos a tudo isso no período de repressão.  Ora, ser honestamente adepto de algum partido não é, em si, conduta condenável. Pelo contrário, a diversidade política torna mais rica a democracia. Enfim, é de se presumir que todos os cidadãos desejem o bem da sua sociedade. Mas, qual é o caminho para se chegar, econômica e politicamente,  ao bem da sociedade? Para isto,  as propostas, os caminhos são diversos. Daí, a disputa sobre qual caminho melhor para se conseguir este objetivo, o que deveriam ser politicamente os partidos, com ideologia e programas definidos. Mesmo que se constate a contraditória incoerência de candidatos, mudando de partido, segundo sua conveniência, alheios à ideologia de todos os partidos, desde que lucrem alguma coisa em cada um deles.   
 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 12/09/2010
Alterado em 12/09/2010
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php