Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


 
PSICOGRAFIA DE FERNANDO PESSOA
OU
FINGIR SEM FINGIMENTO
 
Fingiu sem fingimento
Alegria de ser poeta,
Supondo com tormento,
Alívio de um esteta...
Simulou sentir a dor,
Gemendo como artista,
Odiou de tanto amor,
Viu tudo ao perder de vista.
Escreveu tantos poemas,
Sonetos, belas poesias,
Como musa a verdade,
Espontâneas sinceridades,
Ensaiadas hipocrisias.
Cantou livre como escravo,
Acorrentou-se de senhor,
Vôo leve imaginário,
Sonhou realistas nuvens.
Tão impuro de candor,
Tão puro como ator
Deu rosa sendo cravo
À segunda namorada.
Foi preciso navegar,
Numa nave ensejada,
Em terra remou o mar.
Foi eterno num momento,
Ao fingir com sentimento,
Ser a vida para amar...
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 20/09/2010
Alterado em 11/01/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php