Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                Akira Kurosawa e as Usinas Nucleares
     
       Tenho sempre revisto o filme Sonhos, de Akira Kurosawa (1910 – 1988). Cada vez mais, descubro arte, mensagem, além de aulas de Antropologia Cultural, deste Mestre do Cinema, sobre costumes, valores e tradição da sua bela terra, o Japão. Às vezes, em outras terras, mais próximas a ele, como é o caso do apoteótico Dersu Uzala, filme poético de tema ecológico, rodado na Rússia, quando este imortal da sétima arte se viu perseguido pelos grupos econômicos nipônicos, exilando-se naquele país. Negar-lhe condições para fazer cinema rendeu-lhe até tendência ao suicídio. Foi o caso de Sonhos, que, como Kagemusha, foi produzido com recursos, arrecadados pelos admiradores Coppola, Lucas, Scorcese e Spielberg. 
      
       Q
uando os artistas se sublimam através da arte, tornam-se, entre tantos ordinários, homens extraordinários. Hoje, a triste realidade e os maus-tratos com os valores prometem, potencialmente, poucos jovens para substituírem vultos históricos, homens heróis, filósofos, magnânimos políticos, cientistas, guias religiosos, artistas e tantas outras genialidades, que a humanidade tem nos dado cada vez menos. Mesmo assim, ninguém é insubstituível, até aqueles que argumentam o contrário para eternizarem seu privilegiado “status quo”. Os artistas geniais, completos em arte e mensagem, transformam-se em profetas, como Kurosawa. Os sonhos do “Sonhos” (Dreams), se criticam a realidade, são reais; enquanto apenas sonhos, irreais, mas proféticos. Temíveis profecias com forte probabilidade de que, hoje ou amanhã, acontecerão.
      
       No sexto episódio deste filme, vê-se, de início, uma multidão em fuga, desesperada, correndo das explosões que incandescem o monte Fuji, a oeste de Tóquio. Pergunta um jovem a uma mãe aflita, que não sabia como e aonde carregar suas crianças: - O Fuji entrou em erupção? Respondeu-lhe a mulher, atônita: ” - Bem pior do que isso, a Usina Nuclear explodiu”. Arrependido, um dos responsáveis pelas usinas lamenta:” - Os seis reatores atômicos estão explodindo um a um... O Japão é tão pequeno, não há como escapar”. E prossegue, explicando que as nuvens radioativas atacariam em cores de plutônio 239, espalhando câncer pelo corpo; de estrôncio 90, provocando leucemia; e, as de césio 137 matariam lentamente, mas antes fariam nascer, nos sobreviventes,  monstruosidades. Esta profecia vem acontecendo, leiam os jornais do mundo: “A Usina Nuclear de Fukushima, uma das 55 no Japão, explode”. Os filmes de Akira, a Usina de Chernobyl e outras tragicidades nucleares não convenceram esses “líderes políticos” não produzirem radioatividade sobre nós. Para nos protegermos de todas as usinas, a terra é menor do que o Japão. Segue a notícia de que muitos países, conservando as construídas, suspenderão a construção de novas usinas. Por enquanto, o terremoto e o tsunami, no Japão, os convenceram desta suspensão

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 25/03/2011
Alterado em 25/03/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php