Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


Academia, aniversário e imortalidade

       A Academia Paraibana de Letras aniversaria. Segundo a feliz crônica do acadêmico Carlos Aranha, ela é “setentona”. Apenas com esta idade emblemática, 70 anos, a aniversariante chama seus quarenta membros de imortais, ela própria que deveria dispensar idades, não se interessando mais pelo tempo, sendo criadora e criatura dessa imortalidade. Os acadêmicos, talvez não convencidos dessa perenidade, comemoram aniversários, promovendo festa, com entusiasmo e cânticos pela septuagésima vez, na Casa Coriolano de Medeiros.  Festa longa, de vários dias, em vários meses, excedendo até o tempo do ano em vigor.
      
      Quando eles completam anos, são mais discretos. Afinal de contas, tendo sangue nas veias e coração, batendo para trabalhar tique-taque como relógio, mesmo chamados de imortais, cismam.  O aniversário da APL tem sido oportunidade para relembrar a memória dos que já se foram, esses sim, gozam da ida eterna e carregam consigo a pura imortalidade porque a mortalidade já ocorreu... Tanto é assim que a Comissão Editorial, responsável por editar o Nº 24 da Revista da APL e lançá-la solenemente na sessão do dia do aniversário, 14 de setembro, escreveu um capítulo intitulado de “Nossos Mortos”.

       A imortalidade que a Academia de Letras concede aos seus membros, antes de tudo, decorre do compromisso desses integrantes invocarem os seus antecessores à posteridade.  É também assim que eles renascem e são imortais. Ecce immortalitas! A imortalidade ainda se mostra proporcional a que se chega escrever em vida de estimável literatura que se imortalize, através do interesse dos leitores. Essa imortalidade é pouca em vida; cresce, talvez, depois da morte, secundando-se conforme a memória das obras e a lembrança dos valores na pessoa do autor. Se assim é o tempo da imortalidade, esta mesma nos priva, depois da morte, da liberdade  de mudanças, segundo Sartre, comparados a prisioneiros da escuridão sem luz e “limitados num quarto sem porta e sem janela”. Outro imortal, Rainer Maria Rilke, nos fala que “O tempo não é uma medida. Um ano não conta, dez anos não representam nada (...). Ser artista não significa contar, mas crescer como a árvore que não apressa a sua seiva e resiste, serena, aos grandes ventos da primavera, sem temer que o verão possa não vir. O verão há de vir. Mas só virá  para aqueles que sabem esperar, tão sossegados como se tivessem à frente a eternidade.”  Noutro sentido, ao comemorarmos 70 anos da nossa Academia de Letras, setenta anos contam, representam nossa cultura, sobrevivendo às futuras estações e belas primaveras.  
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 02/10/2011
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php