Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


Admirável Cronista
 
          O cronista que admiro não tem pose de escritor. Provocando respostas, entra nas conversas que encontra nas ruas, nas calçadas, nos bares, nas feiras e filas da vida ou onde quer que esteja, com peculiar desembaraço, e sai sempre com a sua simplicidade maior e com a ideia objeto do seu texto. Sai diferente, tal qual como predisse Heráclito: nossos pés nunca serão lavados no rio pelas mesmas águas... A rua enriquece o cronista, muito mais, o romancista. O professor José Jackson sempre me relembra que foi do meio da sua gente, lendo notícias policiais, onde Dostoievsky colhia matéria-prima para suas crônicas, conhecidas por “Uma Testemunha Ocular”.
 
          O cronista, às vezes, se sente engessado quando lhe entregam “tema de encomenda”. No supermercado, uma educadora esteve a exigir: “Não é possível que você, sempre dedicado à educação, não escreva sobre o fechamento das escolas públicas". Como outros assuntos, este já é de conhecimento popular; sentido pela mãe à porta da escola, de mãos dadas com os filhos na hora da matrícula, diante do aviso “não há vagas” ou “escola fechada”; e analisado pelo bom senso, mediante a interrogação: Precisam as crianças e os jovens de escolas? O cronista prefere a isso casos desconhecidos, fatos escondidos ou esquecidos. Isto se reflete nas palavras de Erico Veríssimo: “O menos que um escritor pode fazer, numa época de atrocidades e injustiças, como a nossa, é acender a sua lâmpada, fazer luz sobre a realidade do seu mundo, evitando que sobre ela caia a escuridão, propícia aos ladrões, aos assassinos e aos tiranos. Sim, segurar a lâmpada a despeito da náusea e do horror”, como também das perseguições à liberdade de expressão. Com sofismas,  estrategistas de marketing político cunharam a expressão “notícia requentada”, para ninguém rever o escândalo que incomoda ou criticar a impunidade ao crime, ao furto ou a qualquer gênero de corrução.

          A inspiração preferível  é aquela que, em tal circunstância,  grita mais alto  ao cronista e sempre vindo espontaneamente do quotidiano, valorizando situações , às vezes corriqueiras, da cultura do dia a dia. Sobrariam ao cronista suas elucubrações? Sim, as profundas e férteis, à medida que fecundem um texto coerente, compreensível e agradável. O cronista admirável se distingue do homem de notícias por não dissimular sentimentos e imagens poéticas, realces da  crônica. Porém, atento à admoestação de Veríssimo, safando a escuridão  de uma escuridão mais escura.

 

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 19/01/2012
Alterado em 22/01/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php