Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


As máscaras não mentem
      
       No jornal Correio da Paraíba, segunda passada, li que “seis bandidos mascarados de papangu invadiram uma festa (...), estupraram seis mulheres e mataram duas delas”. Dia seguinte, a notícia detalhou, com fotos, plano e execução do crime, suas explicações jurídicas e psiquiátricas; também que o MP proibiu, em Queimadas, o uso de máscara durante o carnaval. Confesso que voltei a ter medo de papangu.  As crianças de hoje não o temem, como as de antes. Talvez, achem que haja sinceridade nas máscaras e fantasias, entendendo melhor essas misteriosas faces. Em Pilar, eu espiava a Rua José Lins do Rego, pela fechadura e frestas da porta, para conferir o “papangu” passar no outro lado, na calçada do Mercado.  Preferia o “alaursa”, dizendo-se urso, ao papangu, de caráter indefinido, ora nos ameaçando como bruxa, ora com caras de lobo ou de homem mau. O “alaursa” se contentava com qualquer moeda e lá se ia à busca desse mel.  Assim, para mim o carnaval se caracterizou como um dos primeiros medos.


 
       A espera do carnaval era longa, aparentava passar mais de doze meses; essa expectativa era gerada pelas poucas festas como o carnaval que, marcante, se destacava entre as festas juninas e da Padroeira. Hoje, dentro ou fora de época, vivemos de festinhas, festas e festões, shows, bebidas e, lamentavelmente, drogas; o carnaval é apenas uma a mais que, sem expectativa, logo chega e logo se vai. Meu amigo Chico Buarque ainda foi do tempo em que carnaval inspirava poesia, levando-o a cantar: “Quem me vê sempre parado,/Distante garante que não sei sambar (...) / Eu tô só vendo, sabendo,/ Sentindo, escutando e não posso falar (...) / Eu vejo as pernas de louça/ Da moça que passa e não posso pegar.../ Tô me guardando pra quando o carnaval chegar (...)”

       Hoje , mais do que dos fantasiados, o medo maior é o da insegurança que assola nossa terra e que nos priva da alegria de sambar, de sentir, escutar, falar, esperando o carnaval chegar, para se poder pegar nas pernas da moça que, atualmente, em qualquer dia e lugar, deixa pegar. Tudo mudou, causando lembranças dos carnavais passados que não voltam mais. Caso o leitor não tenha medo de papangu, acreditando que as máscaras não mentem, a violência admoesta não confiar nos mascarados.  Está difícil distinguir um papangu de um perigoso psicopata.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 15/02/2012
Alterado em 15/02/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php