Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


SÔNIA DE CRIME E CASTIGO
 
Mulher da vida
Que da vida só resta,
Do amor uma réstia,
Cujo nome não presta.
 
Sua cama é vendida,
Ao bizarro estranho.
Coração em ferida,
Sob olhos tristonhos.
 
Mulher bondosa,
Dá toda sua carne.
Abusam sua rosa e
Corpo frio que arde.
 
Vida sem vida,
Do que falta viver;
Extrema guarida
Do prazer padecer.
 
Mulher para vida,
Sempre quis ser
Uma mãe, uma amante,
Sem se pertencer.
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 19/06/2012
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php