Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



O Bredo da Semana Santa

          A palavra é de origem grega: “blíton”; os romanos a latinizaram para “blitum” e os portugueses passaram a chamá-lo de bredo. Como se vê, ele é originário da Europa e o espinafre, da Ásia; mas o bredo, mesmo sendo de tão longe, é mato da minha infância, prato da minha mesa, no meu tempo de menino. Decepciona-me o nordestino que não sabe o que é bredo; pior é, ao saber, não comê-lo. Aprendi, em Pilar, onde nasci, que havia comidas da Semana Santa, como bacalhau, peixe e, na Sexta Feira Santa, o tradicional feijão de coco e o bredo ao molho de coco. Depois de colher o bredo no sítio, atrás da minha casa, destacar suas folhas e lavá-las, minha mãe as escaldava para retirar delas o visgo. Em seguida, ela escorria a água e reservava as folhas para fazer o molho, que se iniciava refogando-se, no azeite, cebola fatiada, alho amassado e três tomates maduros; depois, duas xícaras de leite de coco, sal e pimenta a gosto. Por fim, colocava-se o bredo e uma porção de coentro picado, levando tudo ao fogo brando, por uns dez minutos. Estava feita a deliciosa receita de bredo.

          O bredo, primo pobre do espinafre, é também da família das amarantáceas e atualmente encontrado em muitos estados brasileiros como uma planta subespontânea, colhido até em construções velhas, às margens das estradas ou nos pátios das fazendas, o que deveria ser plantado, nas quatro estações do ano, como qualquer hortaliça. O espinafre, ao contrário, foi sempre cultivado nos USA e assunto de revistas de quadrinhos e filmes, onde Popeye abria uma lata de espinafre e o ingeria para se tornar, de repente, um “supermarinheiro” contra o marujo Brutus e em defesa da namorada Olivia Palito. Por tais publicidades, conhecíamos o espinafre sem tê-lo à mesa. Quanto ao bredo, falava-se dele, apenas durante a Semana Santa, mesmo sendo muito mais delicioso e nutritivo do que o espinafre.

          As folhas de bredo são riquíssimas em cálcio, fósforo e ferro e possuem elevado teor de vitamina A, além de apreciável quantidade de vitaminas C e B; cem gramas de bredo nos fornecem 42 calorias. Das comidas da Semana Santa, o peixe e o bacalhau se preservam, durante o ano, nos cardápios de requintados restaurantes.  Por que, nesses restaurantes, achamos espinafre e nunca bredo ao molho de coco e feijão de coco?
 

 
 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 28/03/2013
Alterado em 31/03/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php