Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


         
  A Voz do Místico

 
          A voz do místico não é apressada, alta, titubeante; soa serena e precisa como um diapasão; de tanto calma e melodiosa, parece um violoncelo distinto e reconfortante. Nela, a serenidade ora se concentra, ora sorri. Sua voz nem faz, nem aprecia o barulho; aguarda o momento para sair do silêncio, convincente e convencida de que está sendo escutada. Esses detalhes são apenas características que a distinguem das vozes comuns e incomuns. Mas, o importante é o conteúdo que ela anuncia, caso esteja diante de si uma pessoa ou uma multidão. Nas horas vagas, o místico trabalha como relojoeiro da cidade; jamais deixou relógio sem trabalhar, com incrível habilidade repõe minúsculas peças no complicado sistema das horas.

          A roupa do místico é branca, totalmente branca, se não fossem a poeira do vento e a sujeira do piso onde se senta para ficar em pé a sua voz.  Contudo, jamais se vestiu com qualquer variação do branco, deixando as cores para as coisas da natureza que tanto ama. Como se fosse sua segunda roupa, também branca é a sua casa, mais ainda o seu quarto, onde dorme, no chão, poucas horas da noite. Na cozinha, prepara seus chás e guarda pão e alguns frascos de semente; na sala, recebe curiosos e pessoas que se dizem carentes da sua palavra. Corre fama de que sua voz é milagrosa, mas nunca ele fez um milagre. Contesta ele que o milagre é feito por aqueles que o escutam, eles próprios curam suas feridas e males, ao transformarem suas vidas.

         Mantém poucos pertences que, enfim, não são seus, tão grande é seu desprendimento. Certo dia, estava a meditar, quando um desconhecido entrou até à cozinha e furtou uma panela de barro, a quartinha d’água e uma porção de feijão; o místico tudo viu sem manifestar reação e continuou a refletir no sentido da vida. Come do que planta no quintal da casa e de onde alguns também colhem, sem dar satisfação, verduras, hortaliças, frutas como se fossem remédios que curam doenças ou preservam a saúde; ele se contenta com o mínimo e, assim, tem o máximo... A casa do místico fica a meio da ladeira do Alto da Maloca, não distante do céu aonde sua voz, por primeiro, se eleva. Todos admiram a sublimada vida desse excêntrico homem, mas ninguém o imita, querem apenas o reconforto da sua voz.  

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 12/10/2013
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php