Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                               O ano velho continua

          O tempo é um “continuum”, assim é 2014 que continua ininterrupto; cada átimo constituindo um todo indivisível; como se fosse um só fio, sem corte, de um novelo que se desenrola até a eternidade... Como divide e mede o espaço, o homem fraciona o tempo para mensurar sua existência, para situar quando tudo aconteceu; se foi antes ou depois dessa ou daquela circunstância, definindo o tempo como uma convenção do homem do que acontece entre um antes e um depois; coisa que não faz a pedra de Carlos Drummond: ela não nasce, nem cresce, nem aniversaria, nem morre, tampouco pensa sobre sua existência. Então, por que essa analogia de envelhecer o tempo em dezembro e em janeiro rejuvenescê-lo, noticiando-o nos jornais travestido de criança com a chupeta na boca? A pedra filosofal nos responde: O tempo não morre nem renasce, ele continua...
          Nesse contexto, observo que, a cada dia, desvaloriza-se o tempo passado, como ele deixasse de existir. Quem carrega alguma mágoa contraída no passado sempre pretende apagá-lo, inclusive encerrando qualquer conversa sobre esse assunto: “O que passou, passou”...  Ora, ontologicamente, não se pode passar a borracha no tempo. Se o caro leitor contou o tempo da sua idade e diz ter cinquenta anos, quem seria você sem os seus 47? Logicamente uma criança de três anos, sem a experiência e o conhecimento adquirido no tempo que passou. O tempo é muito mais longo do que um enorme edifício onde e quando você passa do 2014º andar para o 2015º, sem precisar destruir os andares anteriores que dão alicerce e fundamento aos pavimentos posteriores; caso contrário, tudo cairia por terra, tornando-se assim o futuro sempre o reinício de tudo...
          O utilitarismo de Jeremy Bentham (1748 – 1832) e de John Stuart Mill (1805 – 1873) não vem sendo “coisa do passado”, mas do presente, uma doutrina que promete felicidade conquistável pelas ações egoísticas que visem prazer e utilidade individual, trazendo sequelas: desrespeito aos idosos considerados inúteis e demolição do patrimônio que dê menos lucro... Não se deseja acabar a divisão do tempo em minutos, horas, dias, semanas, meses e anos; nem tampouco estragar sua festa do “Ano Novo”: roupa branca, peru, champanha e fogos de artifício. Porém, que ninguém suprima o tempo que passou; sem o passado, o caro leitor perderá sua identidade. Quem é você sem o passado? Provavelmente apenas o agora desse 2015.  

 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 03/01/2015
Alterado em 03/01/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php