Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


 
                                A Petrobras não come capim...

          “Comer capim pela raiz”, do provérbio popular, significa estar comendo as últimas partes dessa gramínea. Aplica-se tal expressão ao que esteja em extinção, em extermínio. Da simplicidade, o povo cria imagens extraordinárias... Daí também advêm “bater as botas”; “esticar as canelas”; “vestir o pijama de madeira”, ou seja: morrer. Há quem evite pensar, falar, escrever ou ler sobre a morte. Desculpe-me o leitor, se padece dessa tanatofobia. Sou, ao contrário, liberto desse medo patológico, penso sempre sobre o nascimento ou a morte, assunto natural ou extremos inevitáveis da vida...
          Mas, por analogia, alguns tanatófobos falam, sem restrição, da morte do que não tem vida: coisas, ideologias, movimentos sociais, partidos; falam até da “morte da Petrobras”, quando ela está apenas com dengue, picada por insetos corruptos. Esses, sim, devem ser combatidos...  Alertemo-nos! Há interesses diagnosticando que a nossa empresa nacional esteja acometida de doença gravíssima e em estado terminal, já oferecendo seu inexistente “cadáver” a abutres pretendendo rapinar o petróleo alheio; pairam nossos poços e minas, desde 1953, tempo da criação da Petrobras. Tenhamos memória! Quando meninote, aprendi nos escritos de Monteiro Lobato: “O petróleo é nosso”; no sofrimento e na morte de Getúlio de Vargas ao realizar empreendimentos nacionalistas para que brasileiros cuidassem do seu petróleo; lutou até à morte, mas não recuou frente à massificação política contra a luta nacionalista em prol dos nossos bens energéticos e minerais.  O que não morreu foi a ganância alienígena, ajudada pelo entreguismo, sempre querendo o que nos resta de riqueza.  Já basta o que perdemos pela corrupção; bastam as extensas terras no Amazonas por onde  brasileiros, sem  autorização estrangeira, não passam; as cartilhas escolares de outro país, ensinando a crianças e jovens que o Amazonas  não é território brasileiro...
          Distingam-se: Uma coisa é eliminar ratos na dispensa da sua casa; outra, bem diferente, é entregar sua dispensa, com “Pré-sal” e tudo, a quem interessar possa, alegando diatribes, medo de rato ou já metamorfoseando-se num deles. Veja diariamente essa novela: Aproveitar o escândalo para acabar a família... Onde está o Centro de Estudos e Defesa do Petróleo de Getúlio e nacionalistas que encorajou a criação da nossa empresa petrolífera para ser a Petrobras famosa, forte e querida, até além das nossas fronteiras?  Ora, quem se desrespeitou foi a banda podre da corrupção, amputemo-la! Que não nos passem conversa! 
A Petrobras não está a comer capim, nem tampouco pela raiz...   
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 05/02/2015
Alterado em 09/02/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php