Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


O Dia Mundial da Água
 
          Em 1954, em Pilar, ouvi falar, pela primeira vez, sobre a importância de uma coisa tão comum, a água. Eram dias de cheia no rio Paraíba; na Mercearia de Dona Lita, o irreverente Cícero soltou um gracejo: “Não sei pra que tanta água”. Como de costume, o Fiscal de Renda, sentado à mesa, onde sempre bebia, reagiu aborrecido: - Melhor sobrando do que nada, duas coisas não podem faltar nesse mundo: água e cerveja... Não se calou, continuou apologizando a água e bebendo cerveja. A cidade desconhecia aquele homem cobrar imposto e tampouco beber água. Mas, em tempo de chuva ou de cheia, a água era o assunto, do jeito do sertão, em tempo de seca...
          Hoje, observo nas netas, nos netos, o discurso escolar: A vida se originou da água; se em outros planetas houver vida, é porque por lá existe água; o corpo humano é constituído, em 65%,  de água; só se têm saúde e beleza se bebermos três litros desse líquido por dia; sem água, não haverá comida, nem energia hidroelétrica, já se precisando da perigosa usina atômica; devemos cultivar árvores, preservar matas, porque sem elas, os rios não terão cheias, seus leitos começarão um  crescente deserto; se não reaproveitarmos a água usada,  não se encontrará a água escondida no lençol freático e também aquela passeando no céu em forma  de nuvens; em populações do mundo,  em grandes concentrações de gente como na China, na Índia e na Nigéria ou em cidades maiores como Rio de Janeiro e São Paulo, onde nunca faltou água, sua  escassez é preocupante. Enfim, o colapso está para vir. Sem água, o que será de nós?
          Porém, à escuta, vejo, na televisão, nas ruas, quem dê banhos e banhos nos automóveis e haja perdularismo lavando calçadas; ouço profecias e debates admoestando que a água, como tem sido o petróleo, tornar-se-á causa de conflito, de guerra. A ONU, preventivamente, proclamou, desde 1993, 22 de março como o Dia Mundial da Água. Tal data passou sem alardes comerciais, sem os mesmos festejos do Dia das Mães, dos Namorados; contudo, esse dia serve para conscientizar-nos do valor da água que, consumida e despercebida em todos os dias, lembre-nos, em vez de conflito, solidariedade e cooperação. Há fé no apocalipse ateando fogo na Terra ou crença no mais provável, o “fim do mundo”, provocado pelo homem, por falta d’água...

 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 27/03/2015
Alterado em 29/03/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php