Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                       Provérbios secundados por crônicas


          O patoense Rui Leitão, filho de Deusdedit e Mazé, concedeu-me o privilégio de apresentar seu livro “A Essência da Sabedoria Popular – Crônicas” nessa última quarta-feira, a seleto público, reunido na Fundação Casa de José Américo. Há tempo, veio ao litoral, onde se revelou, a exemplo do pai, exímio pesquisador do que é curioso, como também destacado homem público, executivo, sendo Diretor Presidente do Iphaep, Superintendente da Rádio Tabajara e do jornal A União. Os aforismos são livros de intensa procura, imagine-se como se tratará essa obra de Rui Leitão que, além de nos oferecer uma rica seleção de apotegmas, também aborda a origem, a história , o uso , o desdobramento, a explicação ou o significado de selecionados provérbios. 
          A rápida leitura de breves sentenças é historicamente atrativa àqueles que buscam pensamentos sobre nossa realidade, sobre nosso quotidiano. A exemplo disso, ressaltem-se os famosos fragmentos do filósofo grego Heráclito. Antes de escritos, os provérbios percorrem longo caminho da oralidade, transmitindo verdades observadas na vida dos homens comuns, instruindo-lhes “bom senso”.  São tão breves que diríamos não serem os provérbios pensados para serem escritos, mas apenas ditos sem muitas palavras, aprendidos de cor, transformando-se em paradoxo da literatura ou repentinos frutos da paralaxe. Qual é a lógica desses fragmentos da filosofia popular que consensualmente, trazidos pela oralidade, agradam tanto o mundo letrado? Sucede uma “lógica da contiguidade e da sucessão”. Fernando Pessoa, relendo curtos versos, espantava-se quando brilhantes ideias se revestiam  de belos adágios: “As vezes tenho ideias felizes,/ Ideias subitamente felizes, em ideias/ E nas palavras em que naturalmente se despegam.../ Depois de escrever, leio.../ Por que escrevi isto?/ Onde fui buscar isto?/ De onde me veio isto? Isto é melhor do que eu.../ Seremos nós neste mundo apenas canetas com tinta/ Com que alguém escreve a valer o que nós aqui traçamos?” Sim, há alguma inspiração mitológica nos eternos provérbios...
          Um país sábio saboreia saberes, portanto, provérbios. Nesse sentido, também a sabedoria que, como eles, há séculos, vem do oriente e também para lá volta do ocidente. Os provérbios não são procurados, mas circunstancialmente encontrados; como pérolas achadas despretensiosamente na superfície ou nas profundezas do mar. Os provérbios quanto mais refletem soluções à realidade, mais se tornam agradavelmente prazerosos, como ejaculações emotivas do intelecto, plenos de bom senso, de conhecimento, de discernimento, divinos, como a voz de Deus, saindo da boca do povo.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 10/04/2015
Alterado em 10/04/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php