Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                 Tiradentes e a "delação premiada"

          Tivemos uma formação de não “dedurar” o colega. Lembro-me que, no Seminário, desapareceu o missal de Amadeu. Fomos trancados, numa sala, durante um dia, mas ninguém delatou ao “disciplinário” Catão o Galego que escondera, por vingança, o livro dourado, caro, de papel bíblia, num dos buracos da vetusta Igreja São Francisco. O tempo passou, fomos liberados do confinamento, o livro mofou, mas o “disciplinário” nada soube ao pedir que o indisciplinado revelasse seu feito... A lógica ensina que há também meios para através do efeito se chegar à causa; como na autópsia, nem cadáver fala, nem o assassino confessa, mas, através dos efeitos, chega-se à “causa mortis”...
          Tempos depois, alguns de nós, educadores, nunca estimulamos a denúncia que é seguida de prêmios, prestígio, compensações, como aconteceu no episódio de Judas, entregando Jesus por trinta dinheiros, o que lhe motivou suicídio. A tortura, ao longo da história, exigiu do torturado, para sofrer menos, nomes dos companheiros de luta; alguns resistiram até à morte, mas não denunciaram seus companheiros de conspiração. Há quem, por pecúnia, para ocupar o trabalho do denunciado, por vingança, para apagar alguma ofensa, por inveja, para ver a desgraça alheia, vive a delatar; acusa e chega a mentir, inventando o inexistente, à busca de prêmios. As perseguições religiosas, ideológicas ou políticas são palcos desses vergonhosos fatos, de mártires e vítimas, como Joana D’Arc, Thomas Morus e o filósofo Giordano Bruno...              Tiradentes e os “inconfidentes mineiros” também tiveram seu delator: o contratador de estradas e entradas, o fazendeiro, o proprietário de minas, Joaquim Silvério dos Reis que, falido, delatou por interesses pessoais e obteve sua “delação premiada”: perdão de todos os impostos e dívidas à Coroa portuguesa; rica mansão; uma pensão vitalícia; título de fidalgo e fardão de gala da Casa Real; hábito da Ordem de Cristo; audiência privilegiada com o Príncipe Regente João, em Lisboa, à custa do erário.
          Mas, o negativo, dialeticamente, tem sempre um lado positivo. Por exemplo, na região onde impera a seca, há menor quantidade de mosquitos da dengue... Assim, se alguém soubesse que o piloto suicida planejava fazer cair o avião com passageiros, então deveria denunciá-lo para impedir essa calamidade. Enfim, o que prejudicar o bem comum deve ser revelado, seja quem seja o acusado. Porém, o prêmio da delação seja tão só a consciência de ter praticado um ato de bem, mas, não, cometido uma "delação premiada"...
 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 17/04/2015
Alterado em 22/06/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php