Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                              Aniversário, por que eu nasci?

          Há amigos que comemoram seus aniversários com antecedência; para eles, com  a antecipada preparação, inicia-se a comemoração. Exemplifico João Saraiva que, no mesmo dia da festa, já guarda o vinho que sobrou para o próximo ano e começa a planejar como será a roupa do futuro dia, quais serão os pratos e os amigos convidados, não tolerando ausências. Acho isso interessante em razão da minha falta de atenção ao meu aniversário e à sua comemoração; modéstia à parte, até merecida, já que procuro viver intensamente a vida, dando-lhe significado; se não o consigo, que me presenteiem alguma ajuda... Se displicente com a data do meu, imaginem como sou em relação às datas dos aniversários dos amigos. Nesse sentido, decepciono os mais próximos, até netos e netas que já não aguardam de mim presentes, lembrando-me indiretamente esses dias. No entanto, recomendo que nunca esqueçam duas datas: a do aniversário da companheira e a do casamento...
          Alertado de que “vem aí seu aniversário“, reservo horas à curta viagem a Pilar, onde procuro a casa da minha infância, entro no quarto onde nasci e acaricio as preservadas paredes de taipa; admiro as telhas e reencontro os buracos por onde, em noites insones,  passava a luz das estrelas, socorrendo o menino com medo do escuro. Dirijo-me ao quintal, hoje, ocupado por casas, e relembro o sítio, curto caminho ao rio Paraíba. Confesso, acontece terapia.  Ainda, isso nutre amor ao passado e à conservação da memória.
          Alertado de que hoje é o aniversário, reservo momentos para refletir como tenho vivido a vida; o que realizei no banquete da existência; se tenho servido apenas a mim ou também aos convivas ao meu lado. Reconheço a força maior da própria sobrevivência, mas que ela pode ser também posta a serviço dos outros. Observo pessoas próximas à comemoração do centenário, às quais ainda não chegou a hora do esquecimento; é possível, especialmente, aos mais jovens, cabíveis e adequadas perguntas, enquanto há memória: Por que eu nasci? Por que eu vivo? E antes que terminem os festejos de tais datas: Para que eu nasci? Para que eu vivo? Revistas verdades pelas quais lutamos, resta-nos uma final: a vida, como a de uma árvore, é bela e efêmera... Pergunta a si o cronista Rubem Alves: “Onde estive eu (...), durante bilhões de anos, que vão do “big bang” até o meu nascimento?”
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 25/04/2015
Alterado em 25/04/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php