Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                   Traição ou traidores da memória?

           Nossa memória ainda não nos trai, porém, lembremo-nos de que estão sempre querendo trair nossa memória. Vocês não vêem? Sim, querem traí-la, surripiarem da nossa cidade o que o patrimônio nos legou. Sem alguma razão, sem alguma explicação, destroem edifícios, monumentos, como também derrubam árvores, sem o que dizer depois que o ”machado bronco”, poetizado por Augusto dos Anjos, faz filhos, amantes da natureza e gente do futuro, que necessitam de espaço para remorarem o tempo, caírem de joelhos no chão para nunca mais se levantarem da terra com memória... O que fazer desses deboches sobre nossa reação? Entre tantas dúvidas, ainda restará a pergunta aonde caminha o bom senso, a racionalidade humana. Resta a certeza de que é preferível duvidar a não acreditar que, nesse sentido, a nossa memória é traída.  
          Tempos e costumes passam como nuvens rápidas, anunciadoras no céu de tempestades e tsunamis que apagam nossos valores, nossas referências. Um dia, constatar-nos–emos ajoelhados nos ermos do deserto, procurando direções; elas serão muitas, mas nenhuma a seguir, somente areia, horizonte, miragem, e nada a nos apontar qual caminho a tomar... Perplexos, talvez melhor crer que a nossa memória que não nos trairá sobre “nobres” conhecidos traidores da memória histórica e patrimonial. Reajamos contra a sanha da derrubada das árvores, da destruição dos imóveis, dos monumentos, dos logradouros públicos, mostrando aos dilapidadores dos bens culturais o disponível à sua construção ou à sua reconstrução. Desfazem indicadores, referências e setas que apontariam o sul e o norte à memória coletiva.
          Antes de se pensar em sustentabilidade, avalie-se a capacidade do homem e da mulher saberem viver no seu meio ambiente. Mais do que nunca a memória quer existir, melhor, subsistir. A saudável tradição interroga: O que se passa?  A memória não teme resistir, mas, quase somente o medo de morrer. Repetem-se tantas insanidades contra a memória, mas ela é fiel, com certeza, não nos trairá; apenas ela se esconde ou se protege para evitar que cortem com facas amoladas a cara da cidade que, depois de desfigurada, não olhará ou não receberá lamuriantes visitas. Ruas e ruas vazias, sem casas e monumentos, apenas ruas com caminhos tomados pelo mato, como forçados becos sem saída... A memória não nos trai, ao contrário, ela está sendo traída. Mais do que nunca é preciso falar, é preciso escrever, para, depois, cantarmos: “Navegar é preciso”...

 

 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 24/05/2015
Alterado em 24/05/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php