Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                                   
                                    Epitácio Pessoa, o homem

                Se perguntássemos às crianças pessoenses quem é Epitácio Pessoa, a maioria responderia: “É uma rua comprida que vai para o mar”. Já, em todas as recentes homenagens prestadas a Epitácio, os discursos repetiram: “Epitácio Pessoa é o paraibano que ocupou os três maiores poderes do país!”, destacando um dos prazeres artificiais, criado pelo homem: o poder. O filósofo Epicuro, com discernimento, distinguiu os prazeres naturais do que é prazeroso apenas motivado pela vaidade humana. Contudo, a sociedade demonstra que só se organiza, se alguém tomar a iniciativa de organizá-la, de manter a ordem na sua estrutura. Segundo Auguste Comte, a fisiologia da estrutura social funciona, por analogia, como a estrutura e a fisiologia orgânicas. Então, precisa-se de um dirigente para organizar multidões, filas do pão, da água, da moradia, de tantas necessidades, e, sobretudo, da luta pelo direito. Falta-me crer que o “laissez-faire” do anarquismo resolva eventuais desordens, tampouco a desorganização gerada pela inveja, pelo egoísmo, como é o caso da corrução. Ora, tais males são o pior da animalidade humana, em razão do homem ter liberdade e capacidade de praticar o mal, com a astúcia da inteligência e com o requinte do raciocínio.
 
           Conclua-se que Epitácio Pessoa possuía qualidades humanas, virtudes do civismo e da cidadania, bem mais exemplares do que apenas o poder três vezes soberanizado. Conta-se que, no Porto do Capim, havia inofensivos cavalos pastando; mas, também ofensivos homens prometendo a Epitácio construir um porto. Distante, no Rio, Epitácio acreditou em falsos fotos do porto projetado; enganado, avalizou que, aqui, estivessem construindo cais, dragagens e escavações à troca de recursos para o pretenso porto. Ainda hoje, no “Porto do Capim”, jazem restos dessa vergonhosa corrução...

          Com honra e altivez, o homem Epitácio se envergonhou e jamais quis ver essa depravação, cinismo daqueles “homens do poder” que surripiaram o erário público. Também, há tempos, constata-se que a ganância que procura, a todo custo, o poder é a mesma que ambiciona a riqueza... Quanto ao poder, Epitácio Pessoa sempre se mostrou desinteressado; diz sua biografia que, estando no exterior, foi convocado ao Brasil para ocupar a Presidência da República... Agora, o Governo do Estado, o Tribunal de Justiça, o Tribunal de Contas, a Academia Paraibana de Letras e outras instituições congêneres resgatam a maculada dignidade dos paraibanos enquanto homenageiam esse homem, descrito como extraordinário em “Epitácio Pessoa: força e sentimento”, de José Américo de Almeida. 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 29/05/2015
Alterado em 29/05/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php