Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                    Namoradas e namorados! Uni-vos!
         
          Contavam os gregos aos romanos, pelos ventos dos mares vindos das suas ilhas, que Céfalo e Prócris namoravam e muito se amavam. O marido Céfalo vivia como caçador na floresta, aventurando-se em matas e bosques. Caçando e sempre caçando, indiferente à insinuada paixão que, insistentemente, oferecia-lhe Aurora. Ao voltar da caça, Céfalo se satisfazia, em casa, com o amor e os carinhos que sua mulher Prócris lhe dedicava. Mas, Aurora, irada com a indiferença de Céfalo, rogou-lhe a praga de que haveria de lhe acontecer uma escomunal desgraça.
          Ignorando tal fatídico augúrio, certo dia, Céfalo, fatigado das suas caçadas, deitou-se para descansar nas folhas retiradas das árvores pelo outono. Observado por Aurora que furtivamente o acompanhava, olhou para os ventos no céu e, como se segredasse um pedido, sussurrou: “Suave brisa, vem e leva o calor que me queima”.  Aurora escutou suas palavras e correu para malquistar Prócris com o esposo, mexericando o que acabara de ouvir, acrescentando que Céfalo, durante as longas caçadas, encontrava-se com a amante ‘Brisa’; e sempre ao entardecer, antes de voltar para casa, deitava-se com ela no bosque para aliviar o fogo do seu corpo. A trama intrigante de Aurora levou Prócris a se enciumar e, escondida entre os arbustos, a seguir o marido. Até que, exausto, ele se deitou na grama e pediu aos ventos as costumeiras carícias: “Vem, brisa suave, vem afagar-me, apaga este calor”.  Sua companheira Prócris reconheceu a voz do marido, acreditou no enredo de Aurora e, arrebatada por um agudo ciúme, debulhou-se em pranto. O marido caçador, imaginando a proximidade de alguma caça atrás da folhagem, atirou seu dardo contra o estranho barulho que provinha da moita, acertando sua querida Prócris; rastreou a presa atingida e encontrou sua amada que, ensanguentada e agonizante, implorou: “Amado Céfalo, nunca se case com essa perversa Brisa que causou entre nós essa tragédia”.
          Também em lágrimas, Céfalo lhe explicou que a ”brisa” a quem falava era apenas o vento. Assim terminavam os gregos esse conto, admoestando namorados e namoradas: O ciúme envenena a confiança; faz sofrer, causando angústia, amantes e amados; e torna a convivência intolerável. Boca a boca, acrescentavam  os romanos que o jovem caçador Céfalo vagou para sempre na floresta e, perdido da poesia, nunca mais recitou versos ao vento, ouvindo para sempre o pranto de Prócris, trazido pela brisa: “O ciúme desgraça o amor”... 

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 03/06/2015
Alterado em 05/06/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php