Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                      Uma música namorada


          Não sei se é você quem pede a música ou é ela que se impõe. Em qualquer caso, fato é que a procuramos. Já vi gente bater perna em São Paulo, quase como uma obsessão, para achar “uma música” do seu agrado. E quanto maior era a cidade, mais se andava, até certo ponto incansavelmente. Chegou a hora em que aconselhei “deixar prá lá”; mas existia no amigo uma espécie de paixão como quem procurasse na multidão uma mulher fatal, com quem se afinara à primeira vista, namorada desejada a qualquer custo; caminhava como à caça do prazer, imaginando o corpo dela num orgão, num violão, num violino, num violoncelo; coisas das quais sai música bela...  Falei em vão que eu também tinha de procurar algumas encomendas, compromissos com os quais não poderia falhar. Mas, o amigo não me dava ouvido, à busca da sua música, cujo nome ele próprio não recordava; esforçava-se em cantarolá-la, e cada vez mais, talvez pelo cansaço, em diferentes solfejos.
          A certa altura da caminhada, insinuei voltar para o hotel e deixá-lo na sua empreitada. Foi quando reagiu: - Se é amigo, quando mais preciso, não me deixe sozinho; eu também estou cansado. Ousei sugerir que também se procurassem outras coisas, já não aguentava mais ouvir pedaços de uma música mal cantarolada ou assobiada. Aqui e acolá, havia vendedor que tentava ajudar também cantarolando alguns “lá – lá –lá”. Então, a confusão aumentava, ao ponto de se pensar que se procurava mais de uma música. Escondido, liguei o telefone ao aplicativo “Sazan” que revela o nome da música executada. Mas, quando ele cantava ou assobiava, lia-se: “Não encontramos resultado” (...)
          Era fim da tarde, as lojas fechavam, e eu, para me recuperar dos constrangimentos, sugeri ir ao shopping, onde as lojas só fechariam às 22 horas. Riu e balbuciou: “Tá certo”. Tentei ajudar, indagando se estávamos à procura de uma música clássica, popular, cantada ou apenas orquestrada. Entendeu a pergunta como uma ironia. Tomei a decisão de ficar calado, só saindo do silêncio quando ele, enfim desiludido e com fome, sentiu a hora de jantar. As pernas não aguentavam mais, então encontramos um confortável restaurante; e logo à entrada, pedimos ao garçom pressa, água e cardápio.  O garçom retrucou: - Chego já. Depois de certo tempo, perguntou: - “O que vão beber?”. Ele, sem dar resposta, levantou-se bruscamente em direção ao pianista, e lá ficou, por longo tempo, pedindo que se tocasse “uma música” que ambos não sabiam...  
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 12/06/2015
Alterado em 13/06/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php