Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                    SEGREDOS DA CEGUEIRA
 
          Quem vê apenas com os olhos não vê bem ou simplesmente não vê e tampouco percebe a beleza das coisas. Cheguei à conclusão de que olhar é um verbo para todos os sentidos do corpo; assim, se há quem coma com os olhos, por que não se vê com a boca? É pobre de visão ou de espírito quem olha apenas com os olhos. Fiquei confuso, em 1962, no Seminário, quando li em Saint-Exupéry que “o essencial é invisível aos olhos”. Mas em 1967, num trem de Roma a Napoli, também li que para enxergar o essencial é preciso, segundo Nietzsche, “aprender a ver”, o que sinalizava o oriental Lao-Tse: “Todas as coisas visíveis são setas que apontam para o invisível”.
          O italiano Morandini, meu professor de Lógica, ensinava ver com as palavras; bastava a luz do silêncio para se escutar a palavra em toda sua plenitude, num fenômeno ótico: a clareza, a clareza dos conceitos nas palavras enquanto olhos. Coisa de filósofo ou de poeta? Respondo apenas que isso acontece com as pessoas que vivenciam sinceramente a simplicidade, que criam no corpo janelas para a alma. É quando a alma, que nunca aparece, mostra-se em toda sua pureza, “in albis”, como na nossa imaginação dos tempos de criança: um lençol muito branco com buracos no lugar dos olhos...
           Somente os olhos precisam de óculos, de microscópios, de lunetas ou de binóculos. Ver sem os olhos não necessita desses instrumentos; isso fica para quem não consegue ver o céu cheio de estrelas a olho nu, de astros escondidos pela distância; ou para quem, a ser míope, só enxerga coisas perto de si, agarrando-as ao tato; é gente que só se excita pegando, jamais com a imaginação que vê o que não mostra o decote, ao recordar Barthes: O erótico é o que sugere o decote sem mostrar... A imaginação conhece as possibilidades do prazer. E assim verifica-se que tem razão Bachelard: “O que se vê não se compara com o que se imagina”. De olhos fechados, podemos ver profundamente o belo, admirar a arte de uma tela não apenas pelas cores e formas, mas provocados ao imaginário, à admiração do invisível, do que existe sem existir, o que não é realidade sem ser ficção. Saber ver sem os olhos demonstra estar num estágio evolutivo e torna preconceituoso que “quatro olhos veem mais do que dois”...
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 11/07/2015
Alterado em 11/07/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php