Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                           A Festa das Neves  virá por aí
 

 
       Recomendo às crianças comerem frutas que ameaçam desaparecer, convencendo-as de que comam para dizer  no futuro que as conheceram... Assim também procedo em relação a alguns valores e costumes, como a festa que comemora a fundação ou  a Padroeira da cidade.  Conto às netas e netos que minha primeira “festa das neves” foi em Pilar: Sem rodas gigantes, com carrossel girado pelo dono, e no meio dele rodando um "sivuca" sanfoneiro. Preferia o carrossel  à canoa que dava frio na barriga, com suas subidas e descidas, uma mais alta do que a outra. Maior atração: os enormes blocos de gelo, trazidos da capital pela “sopa” de Itabaiana; enrolados em estopa, sob pó de serra, para esfriarem as cervejas, o guaraná, e toda a bebida da festa. Disputávamos o privilégio de tocar aquelas pedras e de experimentar seus pedaços, o que lembra índios trocando ouro pelo gelo. Dona Silvia dizia que as bolas de festa, sopradas pela mágica, voariam através das nuvens até o céu. A magia acabou quando, para obter hidrogênio, o vendedor de bolas foi visto misturando ácido sulfúrico com o zinco dos vazios tubos de pasta dental colhidos no chão das ruas sem calçamento...        
       Já em Itabaiana, balanços e carrosséis interessavam gente grande. Também o enorme “pavilhão”, onde se leiloavam galetos, perus, bodes e carneiros. Enfileiravam-se barracas, roletas como as dos cassinos, tiro ao alvo, casinhas de coelho, pirâmides de latas derrubadas por bolas de meia e o homem que virava macaco. Foi então que minha idade entendeu a quermesse como ocasião de conquistas amorosas, troca de bilhetes, piscar de olhos e “flirt”; de se angariar dinheiro para consertos e a pintura da igreja; também já observava a procissão: mulheres cobrindo com mantilhas as cabeças, e os homens descobrindo-as com chapéus na mão.
      Em 1959, conheci, na Rua General Osório e adjacências, da pompa à “bagaceira”, a verdadeira Festa das Neves. Cabiam dentro dela as de todos os outros lugares. Hoje, a Comissão da Festa tudo planejou: montanha russa, maçãs carameladas... Como algumas frutas,  ela ameaça desaparecer. As crianças não saberão escrever sobre ela, pois serão levadas a coisas estranhas à infância: televisão, conversas e brincadeiras do celular ou passeio no shopping, como se tivessem perdido a meninice. Os jovens namorarão noutro lugar, poucos saberão o que significa 5 de agosto para a cidade. Talvez a Festa das Neves virá por aí...

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 16/07/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php