Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                          Mergulho às profundezas

          Ele não precisava fechar os olhos para pensar, desde que o conheci,  na minha adolescência, já era quase cego;  mas seus olhos ativos, direcionados a qualquer movimento, a qualquer barulho, davam-nos impressão de que tudo percebiam, tudo observavam, enfim , tudo viam. Suas palavras lhe rendiam fama de pensador. Sereno e reflexivo, ensinava, sem  alguma palavra, que há quem não veja vendo mais do que os que vêem... Ainda, quem medita fecha os olhos para refletir, ele, sem precisar fazê-lo, abria seus olhos para olhar e os fechava para  ver... 
          Ao por do sol, revelava  sua sabedoria que , calado, durante o dia, acumulava. Sentado como guru, quando falava coisas alegres, baixava a cabeça; quando, as tristes, elevava a cabeça. E assim, reunia pessoas que raramente perguntavam porque já conheciam que falava sobre tudo ou melhor: a profundidade que tudo fundamentava, como se fosse um mergulho profundo, no silêncio, ao desconhecido  fundo do mar.
          Certa vez perguntou-nos que barulho era aquele na rua onde morava. Informaram-lhe  que o jovem filho de um dos vizinhos tinha se afogado no açude, vítima de um repentino "redemoinho" que o tragara para o início das águas... Ele soltou um suspiro  e exclamou que, na juventude, não somos prevenidos. E  somente o previdente  é senhor da situação que, a qualquer momento, pode ser interrompida pelo infortúnio. Quanto mais experiência, mais previdência. Antevidência não é sobrenatural, mas fruto da sabedoria adquirida da observação e da experiência. Outra vez ofendeu, sem vê-lo, um dos ricos da cidade que, retirando-se, lá nunca mais voltou. Como profeta, admoestou que a sabedoria não se adquire na riqueza. Pois, quem ama o dinheiro não ama algo ou alguém acima do dinheiro,  dedicando-se, de corpo e alma, apenas a ganhá-lo. Morrerá infeliz, jamais se sentirá satisfeito, sempre querendo aumentar riqueza e tempo para vigiá-la... Dorme melhor quem tem casa, alimentação, saúde e, feliz, família satisfeita. Os ricos, atordoados pelas fortunas,  ainda invejam os que têm mais do que eles... Sempre sem se despedir, recolhia-se ao quarto de dormida.
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 19/09/2015
Alterado em 19/09/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php