Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                         Ata do cinismo parlamentado

          Assim como ela mostrou o "mercado persa" que se tornou o plenário da Câmara durante a eleição,  maquinada nos boxes, para constituir Comissão sobre o "impeachment", a televisão deveria teatralizar imaginada caminhada do filósofo Diógenes, semi-nu, entre os engravatados deputados, com uma lamparina direcionada à cara de cada um, à busca de cidadãos honestos ou de fiéis representantes do povo. Maior facilidade seria encontrar a fidelidade escondida pelo voto secreto... Gritaria, piadas em alto e bom som , insultos a eles próprios, a autoridades desrespeitadas, e sobretudo à Constituição. Escutei um taxista manifestar sua opinião: "Foi uma esculhambação".
          Em outras palavras, diria: Uma anarquia sem ser  a do bom sentido do anarquismo, dessa doutrina inspirada na do "cinismo" preconizado por Diógenes, como a ideia intuída no "mito do bom selvagem", de Jean Jacques Rousseau.  Tais filosofias junto a esses políticos, no dia 8 de dezembro, transformaram-se em  carões, passados, na má interpretação, pelos pedagogos  tradicionais: "Menino, deixe de anarquia, deixe de ser cínico!"... 
          O carismático e excêntrico Diógenes de Sínope (400 - 325 a.C.), descrito por  Platão como o "Sócrates enlouquecido", ao sair pelas ruas de Atenas, com uma lanterna pendurada na mão esquerda, teria esperança de encontrar algum cidadão honesto; também procurava a realidade nua e crua da vida, como definiu sua filosofia o dramaturgo e novelista Oscar Wilde (1854 - 1900): "O cinismo consiste em ver as coisas como realmente são, e não como se quer que elas sejam". 
Mas, se Diógenes observasse o espetáculo ocorrido no "prato da Câmara", talvez estivesse apenas a demonstrar ironicamente não  haver diminuta minoria a seguir recomendáveis princípios éticos. Ressalte-se que, naquele carteado, ninguém tinha maior habilidade com o baralho do que o Presidente da Mesa, perdido de riso "cínico" e zombeteiro sobre aqueles que perderam a partida. Que esperança! Daí, achar ensinamento no cinismo, ao  se evitar seguir acunhado dilema:  "Assumir riscos absurdos ou aceitar conselhos de quem se arrisca absurdamente"... 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 13/12/2015
Alterado em 14/12/2015
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php