Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                          O mosquito e o besouro

            Há insetos enormes que  logo se diferenciam dos insetos aparentemente inofensivos. Nos tempos de infância, a muriçoca nos causava insônia; antes de picar ,  zunia nos nossos ouvidos como se estivesse a zombar da nossa defesa: Fechado mosqueteiro de filó.  Não sei como ultrapassavam lençóis e cobertores e resistiam à bomba de inseticida, que a atacava do telhado ao chão; o cheiro do veneno ofendia mais a criança do que o mosquito. Houve avanço: As muriçocas diminuíram ...
          De repente, os mosquitos voltaram com outras armas.  Diferente, agora o mosquito "turbinado" veio para mexer com a paz do mundo, bulindo até com mandatários de grandes potências. Razão: Ataca gente de qualquer camada social  e prejudica os que ainda não nasceram, causando-lhes microcefalia, caixas cranianas reduzidas ao desenvolvimento do cérebro, a maior número de neurônios. O então mosquito da dengue é agora o terrificante mosquito da zika. O medo substituiu a "bomba de inseticida" pelas forças armadas contra legiões de mosquitos. Ainda não ganhamos a guerra,  a estratégia é evitar larvas em poças d'água ou em jarros do jardim.  
          Impressionante  é  não combaterem assim mosquito maior do que o besouro: A fome que mata milhares de crianças, impedindo as sobreviventes terem cérebro desenvolvido, serem a inteligência do país.  A "bolsa família" tem sido remédio provisório a esse desarranjo social, consequente do desemprego, dos baixos salários... Triste é que ainda medram grotescos raciocínios sobre essa realidade político-social : "A bolsa família serve  para preguiçoso deixar de trabalhar..."  Quando as crianças dessa gente, nutridas, constituirão gerações mais inteligentes.  Fome é pior do que zika; preocupa menos porque atinge apenas desfavorecidos e não insensíveis a esses problemas sociais. Se a fome afligisse todas as classes sociais, este problema sobre o qual tanto estudou Josué de Castro seria considerado o maior mal do mundo... 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 26/02/2016
Alterado em 27/02/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php