Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                          Nos golpes, os colaboracionistas

          Contam que o estadista Getúlio Vargas, exímio político, era tão quanto  experiente estrategista. Numa "roda de chimarrão", entre baforadas de charuto, comandava a conversa com tiradas e ironias sobre a vida política no país. Sabia o que acontecia, contudo, não escapou das ameaças de "impeachment"e de golpe. Também, desrespeitando-se a Constituição, dessa tendência cíclica de golpismo na América Latina não escamparam Juscelino Kubitscheck e João Goulart; para os três, o grito de guerra sempre foi o mesmo: Combater a corrupção. Getúlio Vargas se notabilizou em defesa das riquezas brasileiras, daí criou empresas nacionalistas, como a Petrobrás para cuidar do petróleo a que negavam existência, mas Monteiro Lobato, proclamando "o petróleo é nosso", sempre contradizia: Há petróleo;  como se verifica, desde sua origem, a Petrobrás é perseguida e cobiçada por capitais estrangeiros...
         Antes de ser levado a atirar no coração, Getúlio teria preferido golpistas a seus colaboracionistas: O golpista mostra a cara nas ruas, nos bares ou na mídia, ao abrir a boca, logo manifesta propósito de derrubar o "governo constituído"; já os colaboracionistas, saem furtivamente da roda de chimarrão às fileiras do golpe, sobretudo se a eventual mudança política lhes promete interesses e vantagens.
          Durante a II Guerra Mundial, a França, invadida pelos nazistas, sofreu a decepção de ter filhos trocando entreguismo e colaboracionismo a Hitler por esses interesses e tais vantagens. Quando a Resistência Francesa e os Aliados expulsaram da França os alemães nazistas , mais de 160.000 franceses colaboracionistas e entreguistas foram a julgamento por terem se bandeado, durante a ocupação, para o lado dos invasores. Charles De Gaulle, à frente de uma França de "um após guerra" e em crise, procurou soluções e "não agravar a crise": Perdoou colaboracionistas, convidando-os à "unidade nacional";  exaltou os patriotas  que combateram enquanto uma "nação de resistentes"; enfim, reconquistou os colaboracionistas , amou a pátria e reconstruiu a França.

 
 
 
  
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 12/03/2016
Alterado em 12/03/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php