Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                        A carta do Arcebispo Aldo

           Dom Aldo nos escreveu uma carta; carta de gente ofendida; mas falou poucas mágoas e muitos pedidos de perdão pelo que deixou de fazer ou pelo que é dito que ele fez. Deixou a carta sobre a mesa como quem parte sem se despedir. Claro, pastor algum se alegra ao deixar o que estimava: O rebanho. Resignado, falou de 'renúncia' à diocese e aos amigos que aqui ficam, menos ao que lhe roubaram: Cruz e anel, joias doadas pela mãe à sua paramentação de bispo. 
          O Papa Francisco também nos enviou uma carta. Talvez você ainda não a procurou, convencido de que não se escreve mais carta. Minha nostalgia relê cartas guardadas, e, aqui e acolá, escrevo uma. Essa do Papa parece com as epístolas de Pedro e Paulo de Tasso; epístola que significa carta, missiva... A de Dom Aldo, denominada pela imprensa como "Carta Renúncia", também nos convida à fé, à esperança e à caridade.
          Já a Carta  do Papa Francisco, denominada "A Luz da Fé", não é de despedida; trata-se de encíclica, escrita das conversas que mantém com Deus e também do seu carisma de compreender e discernir os males do século. Dom Aldo escreve também com ternura pastoral, apenas confessa apego a certas coisas da tradição, o que dificultava a convivência com alguns auxiliares, nesse sentido, desapegados... O que há de comum entre o Papa, Dom Aldo e todos nós é o dom da fé, num mundo, cada dia mais, de homens e mulheres sem fé; sem fé em si, sem fé nos outros, nos valores, enfim, sem fé na fé, o que impossibilita fé em Deus. Há um liame entre acreditar em Deus e ter fé nas suas criaturas que somos nós...
          O Papa Francisco revela que sua carta “não traz ouro nem prata”, tampouco a de Dom Aldo, mas ambas ressaltam e apelam o que nos resta de esperança: A fé.  A carta do Papa traz "boa nova" transformadora; a do Bispo, "boa nova" transformada. A carta de Francisco nos admoesta que ninguém ama sem fé; a de Aldo, que sem fé ninguém é alguém...  
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 08/07/2016
Alterado em 08/07/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php