Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                 Odiar, não odiar e amar

          Qualquer sensatez percebe interesses cultivando ódio político no nosso país. Analise-se a mídia; interpretem-se as "notícias", as reportagens, as aulas, os sermões, as conversas, as generalizações, as piadas, as mentiras; faça-se uma "leitura de conteúdo" do que politicamente fomenta o ódio. E logo se distinguem cizânias dividindo tudo em dois lados: O bem e o mal; o azul e o encarnado do pastoril; o rancor maniqueísta como se existissem, em tantas partes e partidários, apenas duas realidades: Favoráveis e contrários ou odientos e odiados.
         Essa gritaria traz de volta militâncias irascíveis da época da "internacional comunista", do fascismo, do nazismo, do macarthismo, da "guerra fria", dos idos de 1964, quando opinar sobre "reforma agrária" a um país de latifúndios improdutivos imprimia o estereótipo de "subversivo": Carimbo à perseguição,  à prisão, à perda do emprego e à exclusão do mundo do trabalho; a cruz dos cristãos para distingui-los dos mouros na Cruzada medieval. Ariano Suassuna é taxativo: "É muito difícil você vencer a injustiça secular que dilacera o Brasil em dois países distintos: O país dos privilegiados e o país dos despossuídos".
          Galileu Galilei foi genial: "Quando alguém menos entende, mais quer discordar". Fruto disso, recebi mensagem, de gente "esclarecida", insinuando que o autor da famosa obra "O Capital", Karl Marx, foi apenas "um vagabundo, sustentado pela mulher", o que alimenta o machismo de se aceitar  a "mulher sustentada pelo homem". Divergindo, esse livro, então jogado à fogueira do index prohibitorum, argumenta que trabalhadoras e trabalhadores, sem discriminação, têm o direito elementar de trabalhar para seu sustento, sem serem apenas "exército de reserva" no mercado de mão de obra para manutenção dos baixos salários e dos altíssimos lucros. Também as encíclicas doutrinam contra esse resguardo ao desemprego. No final da dita mensagem, o seu maior conteúdo: "Não quebre a corrente, passe adiante"... Submetendo tais interesses ao crivo do racional, sinto, comparo e discirno: Odiar é mais fácil do que não odiar e, respeitando-se as diferenças, o mais difícil é amar.

 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 07/10/2016
Alterado em 07/10/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php