Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                               Vejo cédulas no ar

          Muitas cédulas no ar, saindo da mala o dinheiro apurado do combustível; também bilhetes vendidos pela Lamia para uma viagem mais longa. O piloto, dono do avião, arrependido da avareza, abraçado com o co-piloto, num clamor de misericórdia, rogava: "Jesus!"; eles, à frente de todos, caíam primeiro, verticalmente, no avião sem gasolina, depois de cometer à Torre sua última trapaça: "Não! É apenas uma falha técnica". Mesmo a pista mais plana também não receberia, sem estrondos e mortes, peso tão pesado das alturas além das nuvens.
          Passavam, com rapidez de cometa, as pernas dos jogadores mais velozes, mesmo fora do gramado, sem o apito inicial; corriam sem adversários, apenas submissos à velocidade do desastre. A bola rolava parada no colo de quem iria chutá-la. Houve silêncio,e depois começaram os enormes gritos, bem maiores do que os da torcida de Chapecó. Nunca se rezou tão alto. Inevitavelmente a aeronave caía, ora como um pássaro infartado, sem vida, ora em pirueta misturando os corpos: Goleiro no ataque, centroavante na defesa, técnico no meio da peleja, e o juiz entre os reservas. Enfim, não era o jogo ao qual se ia; mas, a partida à qual não se foi; e sem presença, mas sem WO, ganhou-se o título...  Não houve sangue no ar, apenas camisas verdes lançadas a um gramado esparso.
         Os não escalados, os torcedores, os sem passaporte ou os que perderam o voo não sofreram o desastre. Mas, estavam no avião, como dizem os apaixonados: "Onde estiver meu time, estará meu coração".  Próximos e distantes ficaram em casa, aguardando pela TV jogadas imprevisíveis, lances de craque que, nunca vistos , garantiram-lhes a conquista do título de campeão. No velho inglês Avro RJ - 85, resta um sino esquecido pelo Vigário de Chapecó; na queda, ele, sozinho, repicou finados pelos mortos. Todos, mais rápidos do que o vento, saíram das nuvens e logo retornaram aos céus, onde a alegria da vitória é para sempre.
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 02/12/2016
Alterado em 04/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php