Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                       Natal sem vinho

          Onde Ele nasceu havia vinho, mas Ele ainda não bebia, tampouco, José, o companheiro de Maria, levava consigo alguma dracma ou denário suficiente para comprá-lo, nem ganhar tal dinheiro por algum serviço, pois, distante de casa, não dispunha da marcenaria para o trabalho; também, caso necessitasse, não existia casa de maternidade, por isso, também não, "parto cesariano"... O carpinteiro mal pôde arranjar Maria na manjedoura e, com capim seco, improvisou um berço, como se fosse liturgia do primeiro "advento" do nascimento de Cristo, a criança. Precocemente, o menino crescia "em idade e em sabedoria". Fez-se carne, habitou entre nós, observou a cultura e os costumes das mulheres e dos homens, até o de gostar de festa, como nas "Bodas de Caná", na Galiléia.
          Nessa festa de casamento, Jesus estava com a mãe que percebeu o aperreio dos anfitriões: Os convidados tinham bebido todo o vinho e a festa ainda gozava seu maior momento. Maria,  sentindo tal alheia aflição, foi a Jesus comentar o que acontecia. Ele, encolhendo os ombros, mostrou-se indiferente: "Mulher, que queres de mim? Não é chegada a minha hora". Mas, quem é humilde confia; Maria, em silêncio, afastou-se e, com confiança, dirigiu-se aos criados da casa: "Façam tudo o que Ele mandar". Os criados se aproximaram de Jesus e Ele entendeu o pedido da mãe: "Tragam as talhas vazias. Encham-nas de água". Jesus olhou para a água, para os céus e, em seguida, para os criados, dizendo: "Sirvam!" 
          De repente, tinha-se, naquelas enormes jarras, o bom vinho em abundância. João (2, 1-11), que acompanhava Maria, conta que os convivas e o Mestre Sala se surpreenderam ao se contrariar o costume: Saboreavam o melhor vinho no final da festa. Maria, que serviu de intermediação entre Jesus e os anfitriões, fitou os olhos da dona da casa e sorriu...  Desde aquele tempo, muitas famílias, como a do carpinteiro José, passam o Natal sem vinho; a não ser, por milagre, que se dê, em cesta básica natalina, esse néctar das videiras ou, quem sabe, talvez a cor de vinho tinto numa rubra flor de papel crepom.   

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 22/12/2016
Alterado em 24/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php