Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                                 Tempus fugit?

          Não! O tempo não foge, somos nós que fugimos, num trem em alta velocidade, vendo pela janela fatos, coisas e pessoas passando rapidamente; tudo parado, mas, em veloz movimento, fugindo da nossa vista, igualmente a todos nós, também parados, mas, ao camponês que está arando a terra, em veloz movimento do comboio que não pára. É uma viagem no e através do tempo que só termina quando o viajante sai da janela; o trem continua, dividido em vagões, como se fosse o próprio tempo que, mesmo repartido em pedaços, contínuo, não tem sua infinitude diminuída. A nossa limitação precisa dividir o tempo para poder contá-lo e, sobretudo, isolar partes relativas ao espaço, às circunstâncias e à nossa existência, em que agimos e comemoramos nascimentos, aniversários de vida, de morte ou de feitos extraordinários.
         Anne Karine Kiepe, perambulando pelas ruas de Marrocos, enviou-me, numa mensagem, crucial questão sobre o Ano Novo: "E se você pudesse planejar sua vida de trás para frente, o que estaria acontecendo agora?" Fiquei confuso; como replanejar o passado ou o que passou na janela do trem, o que ficou distante, muito para trás? Recordei um passado irreversível, tendo liberdade apenas sobre o presente e eventualmente sobre o futuro. Enquanto existo, nada consigo realizar no passado, só agir ou modificar coisas no presente, talvez projetando-as para o futuro, jamais ao passado. O tempo de planejar, agir e melhorar é agora, a experiência avisa: Tempo perdido não se recupera...   
          Carlos Drummond admira, em poesia, quem pensou em dividir esse misterioso "quando" do Organon, de Aristóteles:"Quem teve a ideia de cortar o tempo em fatias, / a que se deu o nome de ano, / foi um indivíduo genial. / Industrializou a esperança / fazendo-a funcionar no limite da exaustão. / Doze meses dão para qualquer ser humano / se cansar e entregar os pontos. / Aí entra o milagre da renovação / e tudo começa outra vez / com outro número e outra vontade / de acreditar / que daqui pra adiante vai ser diferente."

                               



 



 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 29/12/2016
Alterado em 30/12/2016
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php