Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                     Gaiolas e prisões

         Zé Bubu, em Itabaiana, fazia gaiola que dava gosto a pássaro viver dentro, parecia arquiteto modelando maquete de esplendoroso palácio. Pegava nos ponteiros como as rendeiras, no fio à arte da rendaria. Menos a periquitos ou a papagaios que destruíam tais frágeis  ponteiros, amolando o bico para cortar sementes ou, quem sabe, beliscar o dedo indicador de intruso que lhe pedisse o pé. Essas aves não pensavam o que fosse liberdade, não destruíam suas cadeias por esse ideário;  a esses bichos, a liberdade se resume simplesmente não ao direito , mas  à vontade  "de  ir e vir", voar e voar. Quem já viu pássaro lutar pela liberdade de pensar? Então, contra quebradores de ponteiro, Bubu entrelaçava arames para gaiola resistente à possibilidade de fuga. Sem discussões, não havia "aves em extinção", consequentemente  nem lei prendendo quem pegasse pássaro num alçapão ou no visgo de jaca. Considerava-se privilégio ser pássaro em gaiola: Casa, água, comida, passeios e boas  e carinhosas conversas com o dono. Apanhavam-se  azulões, canários da terra, galos de campina, rouxinóis, pintassilgos, patativas, concrizes ou curiós, não por malvadeza, mas para enfeitarem e alegrarem a casa e o terraço. Havia pai que tratava melhor e dava maior atenção a esses bichos do que aos filhos.  
        Quando menino, vi o contrário,  na velha cadeia de Pilar, onde pontificou Dom Pedro II uma cerimônia de beija-mão: Gente presa, indo e voltando, por  causa de malvadez... Presos afastados das suas e das nossas casas, achando-se que, soltos, no nosso convívio, eles  atrapalhariam a sociedade; bem diferentes dos pássaros que, livres, cantariam melhor e embelezariam a natureza. Convenceram até ateus de que Deus criou os pássaros para viverem e simbolizarem a própria liberdade.
          Não se faz gaiola como antigamente, tampouco prisão; além disso, ter gaiola virou sinônimo de insensibilidade à vida desses bichinhos e denota desrespeito à natureza. Também hoje, severidade no trato com prisioneiros fere os "direitos humanos"...  Noutrora, as prisões  eram, como gaiolas, simplesmente quatro paredes, teto, porta e janela com grades para o sentenciado espiar e invejar o mundo livre. Sem comodidades, preso era preso, cadeia era cadeia... Hoje, com recursos e reivindicações, não se faz cadeia como antigamente. Fracas "bicadas" destroem  "ponteiros", paredes,  portas , teto, enfim, os presos, no telhado da prisão, hasteiam bandeiras significando vitória e gritam "mais liberdade ", mais do que a em liberdade: Comandam, aqui e alhures, o tráfico de drogas e os passos dos que estão no lado de fora; dizem-se senhores de ameaçadas vidas e daqueles que, à cata de segurança, aprisionam-se em suas casas e pensam que são livres
...
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 19/01/2017
Alterado em 20/01/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php