Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                              Zavascki , o Teori
  •           Há pessoas que têm o destino de cunhar, na rijeza do metal ou na dureza da vida,  os sentidos da palavra 'utopia' (literalmente, do grego, "o não lugar em lugar nenhum") ; sofrem angústias, padecem sofrimentos, dos quais, sempre, faz-se um mártir, um herói. O bem , em perfeição, nunca é completamente atingível, mas continua desejável, por isso ser aguilhão gerador de ideias utópicas, metas imaginárias à cidadania, ao cidadão, que nos movem à busca do melhor. Houve, por tais motivos, vários vultos na história, mortos porque lutaram pelo bem comum, mesmo perseguidos pelos que pensam somente em si. Destaco Tomás Morus (1478 - 1535), humanista e jurista inglês, amigo do filósofo Erasmo de Rotterdam, e autor da obra  A Utopia. Tomás, simplesmente por não dizer 'sim' à conduta e às ordens do rei Henrique VIII, morreu, formalmente "julgado", condenado e cruelmente decapitado.
              Daí, quem trilha caminhos semelhantes, como os de Morus, quando desaparece , logo se faz a ilação, mesmo advertido pela probabilidade, de que não morreu, mas foi morto. O bom senso alerta que saber certos assuntos é perigoso; por isso se esculpe a prudência em corpo de macaco tapando com as mãos os olhos, os ouvidos e a boca. Mas, não sendo macacos, eticamente os sentidos nos informam e a boca afirma o sentido da existência, a defesa  da verdade, do direito e da justiça em função do bem comum.
              Teori Zavascki deve ter sofrido muito , seguindo Morus, ao caminhar nas terras da utopia, conhecendo crimes, autos e protagonistas de tantos escárnios contra o povo, especialmente tratando-se daqueles que se disseram políticos para cuidarem exatamente da coisa pública e zelar o bem comum...  Imagino o que teria pensado o Ministro Teori durante a queda do avião no mar de Paraty, sem forças contra as águas que calaram sua boca. Águas? Deve ter relembrado palavras do general romano Pompeu (
    Navigare necesse; vivere non est necesse) ao cumprir ordem cesarista (70 a.C) de vencer os mares à procura de trigo para Roma: "Navegar é preciso, viver não é preciso" ou que se tente realizar utopias.
 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 25/01/2017
Alterado em 25/01/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php