Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos




                                As cinzas da quarta-feira

          Há quem, na quarta-feira de cinza, cantando que ela "chega tão depressa, só prá contrariar ", chore o fim do carnaval porque, com ele, acabam-se a folia, o disfarce, a liberação maior do sexo, os descomedimentos, as simulações, as dissimulações e parte das irresponsabilidades. Terça-feira passada, três vezes escutei: "Vai voltar tudo de novo", o que quer dizer também enfrentar novamente preocupações e trabalho, mesmo que alguns continuem indiferentes a essas duas duras realidades...
          Há também quem, supervalorizando a produção, não chore porque só conta os dias úteis e os seus ganhos, motivação que se hipertrofiou ao lucro e que enfada qualquer "dia santo" ou feriado. Discordo de tais excessos: Assim como esses hiperativos têm suas festas, batizados, casamentos e aniversários, a coletividade carece de suas comemorações para enaltecer pessoas e fatos que representaram e representam exemplo de vida cristã, cívica ou cidadã, datas que se consagram até por martírio ou heroísmo. Esses dias também são, sociologicamente, lazer: Mérito de quem goza as consequências do trabalho; repouso necessário à  suficiência do trabalho para viver e não viver exclusivamente para trabalhar.   
          Mas, as cinzas materializam o fim daquilo queimado pelo fogo, daquilo de que ele tirou o último resquício de vida. Não é por menos que, nos sepultamentos, recorda-se a crucial admoestação: "Lembra-te, homem, que tu és pó e ao pó tu haverás de tornar" (Memento, homo, quia pulvis es et in pulverem reverteris, Gn 3, 19); o que também é dito na liturgia da quarta-feira, quando o Bispo desenha com  cinza uma cruz na sua testa. Essa cinza não simboliza a quarta-feira, mas a cinza de todas as quartas-feiras, de todos os dias, do que restou e do que restará da vida.
www.drc.recantodasletras.com.br

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 02/03/2017
Alterado em 03/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php