Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


Ciúme, fatos, coisas e crime
      
       Por trás da Floriano Peixoto do Alto dos Currais, em Itabaiana, morava Biu do  Cavalo;  o bicho, desde seus tempos de potro, servia ao dono em tudo:  Puxava a carroça de mudanças; carregava caixas de sapato da fábrica de Seu Osório à Estação Ferroviária, vendidas a Timbaúba e Campina Grande; tinha um admirado trote que levava Biu às festas, à Igreja e ao mercado; e em nada dava trabalho, abastava-se do capim em torno da casa, cujo muro, à noite, Biu gostava de pular, a destino, até hoje, ignorado.
       Sua  mulher, por coincidência, Severina, nutrindo doentio ciúme e os fuxicos das "amigas" da vizinhança, dizia que tudo sabia: "Ele não me engana..."  Assim, escolheu uma da sua rua, a quem Biu sempre sorria, para ser sua rival. E, nos fins das tardes, quando via o escolhido pivô do ciúme sentado na calçada, reforçava sua raiva, em voz baixa: "Por que ela?  Sou melhor em tudo". Lembro-me, por outro lado, que os homens, batendo papo no Bar de Adonias, antes do último gole, lambiam os beiços e defendiam-se: "Mulher com muito ciúme não presta, dá nisso"...
        Severina conhecia como ninguém os gostos de Biu. Então lhe preparou seu almoço preferido: Feijão verde; num copo americano, caldo com coentro; farofa d'água com cebola e galinha torrada com muita graxa, alho, cebola, pimentão e cheiro verde. Em cima dessa comida, Biu se derretia de prazer e na mania de comer fazendo com a mão bolinho de feijão, receita de mãe a menino enfastiado, entretendo-o, chamando a comida de "pintinho" ou de "cavalinho". Quando estava Biu levando um desses bolinhos à boca, Severina quebrou-lhe o pescoço com um pino de engatar trem que ela arrumara na Estação do Triângulo, onde se revezavam os trens para fazer baldeação de vagões e mercadorias. Restou-nos forte lembrança de Biu morto, trancando na mão um bolinho de feijão e das vizinhas defendendo Severina: "Coitado de Biu, mas quem aqui apronta aqui paga..."

  www.drc.recantodasletras.com.br
 <http://www.drc.recantodasletras.com.br/visualizar.php?idt=5936223>

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 09/03/2017
Alterado em 10/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php