Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                   O São Francisco nos socorre

          O Rio Paraíba, o maior curso d'água que se origina e termina neste Estado, descia às carreiras a Serra de Jabitacá, estendendo-se, de mais de mil metros de altitude, em direção ao quintal da minha casa; suas águas passavam por lá para completar, em Cabedelo, seus 380 km de extensão. Quintal por assim dizer, mas era um sítio, que separava a casa e a margem esquerda do rio. Naqueles tempos de infância, em  Pilar, vez ou outra, o rio visitava esse quintal, provocando traquinices de menino, tornando minha infância parte das suas enchentes. O  rio caudaloso passava, carregando árvores, canoas, bodes, bois e cavalos que, distraídos, eram arrebatados do pasto. E meu pai Inácio, cauteloso, mostrava a mim, Marilene, Ivan e Mariluce, o que era a cheia. Se a enchente me atemorizava, mais medo fazia ao escutar, no velho rádio ABC, ela cobrindo a ponte e invadindo casas em Itabaiana. Sivuca sofreu muito esse aperreio, ao morar logo à vista das águas, no outro lado do rio, no distrito de  Campo Grande. O Rio Paraíba, no inverno, formava de Itabaiana, Pilar, Espírito Santo e Santa Rita uma só comunidade sofredora sob ameaças de inundação. As conversas da minha mãe Lia com Dona Lita e Dona Vicenza apavoravam as crianças, contando história de “dilúvio”, de Noé, da Bíblia como “castigo para lavar o sujo no mundo do pecado”. No entanto, a inocente meninada usava tal medo para não se afogar...
          Hoje, o  medo virou o contrário do da enchente, teme-se que o rio seque. A cada dia, seu leito quase totalmente nu, despido d’água, mostra suas areias aos que lucram em vendê-las. Mas, sexta-feira, 10 de março de 2017, vi o bendito São Francisco socorrer o "irmão rio" com  abundantes águas, trazendo ao Paraíba uma enchente, nunca vista, permanente e independente de chuva. Dessa milagrosa transposição, donas de casa de Monteiro encheram  garrafas como se estivessem colhendo "água benta" para curar outros males.  
          O Governador Ricardo Coutinho, com sua peculiar coragem, agradeceu, com justiça, a todos que colaboraram para que o milagre descesse dos céus às terras do Cariri e do Sertão: Ao Ministro Helder Barbalho, incansávelmente presente às necessidades da Transposição na Paraíba; ao atual Presidente Temer que assumiu interesse de apoiar e acompanhar a conclusão da obra; a então Presidente Dilma, tendo ao lado Temer como Vice, feitora de 71% daquele histórico  momento, e ao ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, iniciador, obreiro das primeiras e firmes pedras da sapata e que erigiu altas paredes das represas ou os túneis nas montanhas. Enfim, suas palavras maravilharam mais ainda aquelas águas e a assistência, quando disse a pérola de todos os discursos: "Essas águas não só acabam nossa sede e a seca que atormenta a natureza, mas, sobretudo e definitivamente, afogam o coronelismo político, antigo e atual, que chantageava essa necessidade do povo em troca de enganosas soluções: Latas d'água, carroças e carros-pipas. Contra essa má política e para o bem do povo, a Transposição do Rio São Francisco traz libertação ou águas que significam liberdade". 

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 14/03/2017
Alterado em 19/03/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php