Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                 Confundem-se independência e dependência

          As primeiras escolas me faziam estar bem fardado e cantar os hinos da pátria: Nacional, da Independência e da Bandeira. Foi assim quando se iniciou em mim a ideia do que fosse o “sete de setembro” da independência do Brasil; mas também não esqueço  a algazarra quando éramos liberados das aulas para a instrução do Cabo Totô do Tiro de Guerra, amante da farda, da corneta e dos seus toques, complementados pelo seu grito: “Atenção! Sentido!”, pondo ordem na meninada. Sabia como ninguém organizar desfile para ganhar, do jurado das autoridades: Juiz, Vigário, Sargento que comandava o Tiro de Guerra e Delegado, o primeiro lugar no Dia da Independência, premio entregue pelo Prefeito da cidade. Nos ensaios, as alunas mais altas  se empinavam à escolha do porta-bandeira, e as mais roliças rebolavam para ser baliza, demonstrando gingado e saltos ornamentais.  O Colégio N.S. da Conceição não possuía banda, mas rapazolas da Escola de Samba de Zé Dudu emprestavam à Madre Freitas instrumentos e habilidades do último carnaval;  todos na tropa do Cabo Totô, obedecendo sua regência e seu comando. Tais ensaios aumentavam a expectativa do Sete de Setembro que trazia à Itabaiana matutos e visitantes das pequenas cidades. Contudo, pouco se aprendia sobre a festejada independência...
           Aos onze anos de idade, já no internato, na Capital, comecei a escutar que nossa “independência” teria sido conquistada sem luta, sem esforço; fora histórias jocosas, contava-se que “bastou parar os cavalos às margens do Ipiranga e jogar fora uns laços com cores de Portugal”. Também se refletia que nem sempre o esforço empreende o bem, há quem, nas caladas da noite, sob perigos, arrombe um cofre com maçarico, ou quem, sem qualquer esforço, em pleno dia, furte o dinheiro público e o esconda em malas, à vista da TV,  sem constranger eleitores, prontos para o reelegerem à continuação dessa censurável proeza. Em  Portugal também “setembrinos” comemoram a revolução de setembro de 1836 contra a então “Carta Constitucional”...
          Avisam que já somos independentes de Portugal. E aqui e agora? Necessitamos de independência para escolher melhores homens públicos, sérios governantes  e um Brasil bom de viver, com povo independente dos que querem comprar voto; dos enganadores e maus políticos, dos cabos eleitorais negociantes, traficantes e vendedores do voto em lote; também liberto da troca do bem coletivo por apenas efêmeros e insignificantes favores pessoais. Quando, livres desses laços, às margens dos negócios, o voto independente será o grito dessa desejável independência.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 08/09/2017
Alterado em 08/09/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php