Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                       No deserto, desejos, amor e sofrimento

          Por falta de distribuição ao lado mais ocidental, pouco usufruímos da importante beleza que o  cinema russo produz;  houve bloqueio como se fosse consequência do macarthismo ou resultado da "guerra fria": "Tudo que vem de lá é nocivo"...  Enfim, temor que o cinema se tornasse canal de transmissão ideológica; ora, os filmes, na sua grande maioria, são roteiros também baseados em obras literárias e em temas dos tempos do czarismo...  Contudo, ao passar do tempo,  também tendo isso como desaparecido,  o Cineclube homem de areia nos dá, como em todas as primeiras  quartas do mês, nessa quarta-feira vindoura, às 19:30 horas, na Fundação Casa de José Américo, a oportunidade de ver o espetacular filme, de Grigori Chukhrai, O Quadragésimo Primeiro (1956), também conhecido como a "A Guerrilheira".
           Outra obra do mesmo diretor e com as mesmas características é a excelente película  A balada do soldado (1959). Em O Quadragésimo Primeiro, destaque-se  o desempenho dos protagonistas nos papéis de Ansenti Yevsykov, de Vadim Nikolayevich Govokha e da radical Filatovna, severa em cumprir  ditames ideológicos, mas apenas invejosa enquanto  repara a cor dos belos olhos da moderada Govorkha. Esses personagens, numa heróica demonstração de obstinação, enfrentam o frio e a fome, aventurando-se num mundo desconhecido, simplesmente em prol dos seus ideais.
          Cenas das agruras de guerra marcam seus passos nas areias do Deserto de Karakum: o caminho;  em direção ao Mar de Aral: o destino.  Nessas circunstâncias, o silêncio muito lhes fala. Silencioso, como o mar, o deserto  não só causa sede, mas também os concentra numa meditativa e contemplativa solidão, inspirando-lhes um mundo imaginário que se vislumbra além do interminável horizonte, sem fim, desértico, siberiano; quanto mais caminham,  mais distante é a chegada; mira-se o horizonte, escondido apenas pelas cortinas de poeira estendidas pelo vento, ao soprar a fina areia. Seguindo admirável roteiro, a simplicidade rege a arte desse imperdível filme. Ver-se-á que Filatovna nada perde de vista, nem  mesmo quando  mira, com o fusil, seu quadragésimo inimigo...


 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 01/10/2017
Alterado em 01/10/2017

Música: Adágio - Albinoni

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php