Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                                       
                           Coisas íntimas, coisas públicas


          As luzes brilham também por causa da escuridão; quanto mais for sombria a noite, mais as luzes lhe trarão claridade. E quanto maior for a claridade, não adianta acender outra luz;  com certeza o seu brilho se perderá entre os outros brilhos, não se percebendo que ela está acesa. Isso ocorre com a irracionalidade da lei que nos obriga a acender os faróis do carro, à luz do sol do meio dia, quando não há sombra, nem tampouco escuridão. Já preconizava Sócrates: devemos obedecer até leis injustas para que as justas sejam respeitadas.
          Contudo, nessa viagem, não convém que desejemos a escuridão da noite para que os faróis mostrem sua claridade; pouco importa a luz dos seus filamentos ou a causa da sua luminosidade. Transponho-me para uma choupana, num longínquo pé de serra, onde o tamanho do pavio sustenta a labareda de fogo, alimentada pelo querosene no candeeiro. E lembro-me o que o Mestre admoesta: "Ninguém acende uma lamparina para pô-la embaixo da mesa, mas em cima, para que ela alumie todos os que estão em casa". A lei que necessita de muita explicação nos determina fazer, em fila, uma longa gambiarra acesa para iluminar a estrada , "tão clara como a luz solar".
          Como as luzes precisam da escuridão para brilharem, as coisas íntimas necessitam de privacidade para terem o seu valor. E se sua intimidade se desgasta na boca das fofocas, das piadas e dos boatos, ela perde o brilho de ser íntima ou o seu substantivo:  a intimidade; o aconchego dos seus segredos; a comodidade da sua confiança. Nesse sentido, as relações sexuais dos que sinceramente se amam perdem o brilho do seu valor, quando à luz do Sol, na praça pública, nos visíveis caminhos da vida, acontecem ao prazer de qualquer exibicionismo  ou "voyeurismo"... Enfim, a intimidade é capaz de fundir duas almas e dois corações num só sentimento.
      
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 08/11/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php