Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                          Maxixe lembra quiabo

          Maxixe não é, aqui, a dança, desde 1870, inventada pelos cariocas, parecida com a habanera e com a polca que se misturaram com o tempero do ritmo africano, então admirado no dançarino popular chamado de Maxixe, requebrando os quadris, mais do que a mulata no morro, em passos rápidos pra frente e pra trás, como alegorias ora improvisadas , ora  ensaiadas. A partir da metade do século XX, tal maxixe foi engolido pelo samba. A continuar, maxixe é o que, numa feijoada  ou num cozido, separado ou não do quiabo, barato, substitui caríssimos comprimidos de zinco.
          O maxixe também lembra o gostoso quiabo, frito ou cozinhado no feijão verde cuja baba alguns repugnam; com baba, sinto prazer de comê-lo, medicando-me com as vitaminas A, B, C, E e K, contendo os minerais zinco, ferro, cálcio, magnésio e potássio;  e ainda como preventivo contra as doenças do joelho, assim se explicam pessoas que coxeavam e não mancam mais. Também o quiabo traz terapêuticas lembranças, o que finalmente  confesso.
         Em 1966, no fim da longa safra de quiabo, quando me despedia de familiares  para ir estudar na Itália, procurei visitar o meu amado avô Ramos que tinha se mudado de Pilar para Carpina, no caminho das romarias ao Santuário de São Severino dos Ramos , aonde, durante minha infância, peregrinavam meus pais para "pagar promessas alcançadas ou agradecer graças recebidas". Ao chegar a Carpina, meu avô, o velho Ramos, esperava-me: "Mês passado, seu pai Inácio me avisou que você iria pra longe,  então preparei uma lembrança para você". Levou-me ao quintal, mostrou-me um único e bem cuidado fruto do verde quiabeiro: "Guardei para você..." Ele já morreu e levou consigo sua  liderança, seu largo sorriso contando estórias debaixo da árvore, arrodeada por sempre ocupados tamboretes. Mas sua simplicidade ainda me ensina: um pequeno presente cresce e valoriza-se, quando há sinceridade na doação.
         
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 30/11/2017
Alterado em 02/12/2017
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php