Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                     No Natal, o nosso paganismo

          Estava comprando pão, quando uma menina moça, no competitivo frisson da fila da padaria, cobrou da mulher ao lado: "Mãe, quando é que a senhora vai comprar as coisas pro Natal?" A mulher, de cabelo assanhado, mas, na moda, bem vestida com roupas vendidas em  lojas populares, imitando confecções de luxuosas boutiques, respondeu por cima do ombro: "Quando o dinheiro sair"...  A filha insistiu: "Quando vai sair?",  ao que ficou sem resposta.
          Essa história de "compra-compra", preparando essa festa, vem acontecendo muito antes de Jesus Cristo nascer; desde as comemorações natalinas, mas pagãs, em homenagem ao "Deus Sol", com o nome de "Brumália", inclusive com troca de presentes. Mas, naquele tempo, sem o arrumado "amigo  oculto". Os amigos, todos sabiam... Aqui e agora, vai se sabendo da amizade, aos poucos, até se caracterizar, com suspense, o perfil do sorteado.
          No nascimento de Cristo, nada se escondeu, só a criança, da fria espada de Herodes. Há muito tempo, no presépio da Igreja que absorveu tal natal, a partir do século IV, vêem-se os "reis magos", montando camelos, e, sem surpresa, mostrando os presentes nas mãos que dariam ao recém-nascido Messias. Os nomes desses magos sempre foram estrambóticos; difíceis de decorar, inclusive servindo como pergunta de maratona. Ninguém acertava em dizer os três; sabiam-se apenas os três presentes. Também sobre isso, não encontrei relato nos evangelistas, aprendi com a catequista Vicença, em Pilar, que se chamavam Melchior, Baltasar e Gaspar e que não seriam reis , mas simplesmente "sacerdotes zoroástricos" (outra palavra difícil), das longínquas terras da Arábia, que, guiados por uma estrela, presentearam ouro que, segundo o catecismo dos Padres da Igreja, simbolizaria a realeza; o incenso, a divindade; e a mirra, a paixão. Até o apóstolo Mateus (
2, 1-12) não pronuncia esses nomes tão complicados, atribuídos aos três magos. 
 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 15/12/2017
Alterado em 20/12/2017

Música: prelude - BACH - Bach

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php