Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


              Meninos no bloco, meninotes em bloco

          É bom recordar "os tempos de outrora, dos velhos carnavais que não voltam mais", mesmo se, preferindo os de então aos atuais, recordem-se os medos que sofriam as crianças, espiando, pelas frestas das janelas ou pelas fechaduras das portas, "laursas" e papangus; espantosos, mas atraentes e prazerosos, sem eles não teria havido carnaval. Não havia  a semana de "prévia", duplicando ou falseando os três dias de carnaval;  os dias eram aqueles, quem dançou dançou, quem não viu perdeu.
         Hoje, pela indiferença ou inexistência dos pais para as protegerem, as crianças são muito mais ousadas, não recorrem aos buracos das fechaduras para verem "monstros" e fantasias horríveis, elas próprias se tornam esses papangus sem  fantasias, em bloco, organizadamente em grupos, fazem medo aos adultos; não frequentam os blocos mirins, como o das "muriçoquinhas"; estão lá nos da madrugada, longe do inexistente: redes, colchões, camas, sonos e sonhos... Tais descamisados usam calção escuro, escondendo o excesso de uso; um gorro de grife roubado, com a aba caída para o lado do ouvido esquerdo. Correm ou andam sempre em bando, à espreita de qualquer descuido dos que dançam, embriagados pela alegria extasiante das circunstâncias anuais dos ainda carnavais.
         Mesmo subindo nos ônibus pelas janelas apedrejadas  ou nos seus tetos, eles não voltam para casa porque não têm abrigo, nem pais, nem comida, nem pijamas  para dormir, nem tampouco educação. Dormem, sob "maquises", com a mesma roupa do desfile. Enturmados e escondidos, talvez desfrutando "crack" ou uma lata de cola, reúnem-se para contar e dividir o apurado. São crianças que, a cada período momesco, multiplicam-se, dentro e "fora de época", o que todo o mundo vê... Enquanto tal carnaval durar, ainda bem que surgiu, e ainda prometem de continuá-la, a "bolsa família" que minimiza parcialmente essa miserável pobreza, e, sobretudo, assegura alguma comida para nutrir crianças que também pertencem à futura inteligência brasileira. 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 09/02/2018
Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php