Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                 Égua russa no Trapiá dos Severos

         Era menino, e já via  malvadezas de gente grande, piores do que a explicada pelo samba: "(...) a maldade dessa gente é uma arte (...)". Presenciei adolescentes incandescendo prego e jogando-o, no escuro da boca da noite, para o sapo engolir. Igual a dos marinheiros que, retirando jerimuns da água fervente, na cozinha do navio, jogam-nos aos tubarões, no mar, que, ao engoli-los, de repente, bóiam mortos. Tubarão engole até asa de avião, mas morre se ela estiver incandescente, como o calor e a cor do fogo. A maldade é a mesma, apenas em coisas diferentes. Matavam, sem temer, o cururu, mas corriam com medo do inspetor de menores, "seu Ananias", que assombrava Itabaiana só com o seu grande e largo bigode: "Menino malvado, judiando com o sapo"!
           Foi  então que decorei o verbo 'judiar';  para, já na adolescência,  perceber que judiar é fazer como  alguns judeus flagelando o Messias. Sem dúvida, tal generalização é um preconceito consequente da  "Via Sacra", nas paredes da Igreja,  mostrando uns judaicos, torturando Jesus Cristo. O preconceito é histórico; e a maldade vem de longe, tanto é assim que persiste, nos dias de hoje; ainda há candidato à presidência militante adepto da tortura... Mudado o que deve ser mudado, também observo pessoas instruídas pelo marcatismo (McCarthyism), associando a palavra 'russo' ao significado daquilo que não presta; pessoas ideologicamente inocentes, em circunstâncias constrangedoras, lamentando: "A situação está russa"...
          Só não sabia explicar o porquê da besta, nascida e crescida nos pastos sertanejos, tão longe do mundo eslavo oriental, ser chamada de "égua russa". Vi o povo feliz festejando na ponte, comunguei a alegria do vídeo de Tião Cordeiro Braga, até com descrição emocionante: chuvas à seca de Nazarezinho. Mas fiquei curioso, quando as torrenciais águas, em volumosa correnteza, com espumas, barulho e tudo, indo para tombar na Cachoeira do Sítio Pitombeira, corriam pelo Riacho do Trapiá dos Severos (Lembrança da Dinastia dos Severos, fundada pelo general Septímio Severo, entre 193 d.C a 235 d.C, no Império Romano) "ao colo do Açude de São Gonçalo", inundando, transbordando  o "Riacho da Égua Russa". Somente ontem, o cajazeirense Professor Francelino Soares esclareceu: "A égua é ruça"...                 

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 21/02/2018
Alterado em 26/02/2018

Música: Splendore Di Venezia - Rondo Veneziano

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php