Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                                   Trocar tiros na escola?

         Pouco se  preocupou a mídia sobre as recentes e históricas manifestações,  nos USA, contra a excessiva fabricação e a deliberada venda de armas, o que traduzo do Le Monde, "mis à jour" nesse  25 de março, próximo passado. Faixas e cartazes nos diziam, grosso modo, que as armas, guardadas pelo amor, atiram flores; as, armadas pelo ódio, balas de mortífero calibre. Faixas expressavam a motivação desse gigantesco agrupamento social: "Mais armas, mais violência";  "Quero me defender, não com armas" e "Arma: antes da defesa, o ataque". Enfim, tal multidão, segundo Gilles Paris, exigia restrições à desenfreada compra de armas de fogo, razão  da matança de Parkland que atingiu  dezenas de mortes e feridos. O enorme protesto foi inédito na terra do farwest , onde se proclamava o revólver, do  "cow-boy", como lei.
      A enorme manifestação se definia como  "Marcha pelas nossas vidas",  bem em frente ao Hotel Trump, do presidente Trump. Das escadarias do Capitólio, ouviam-se discursos dos jovens de Parkland, que escaparam do divertimento do atirador alucinado. Era a juventude norte-americana que se conscientizou ao ver costumeiros massacres e aderiu ao "ativismo anti-armas", apoiando  famílias que temem deixar filhas e filhos na escola, onde, inúmeras vezes, tornaram-se alvos de franco-atiradores, que compram, em qualquer negócio, revólver, máuser  e  sofisticados rifles de longo alcance e de repetição semi-automática. Ora, só morre o desarmado porque antes o bandido está armado... 
       Em resposta aos manifestantes, o presidente Trump prometeu, aos alunos para se defenderem, maiores facilidades a esse tipo de comércio, e criar um programa especial  aos professores e professoras, fornecendo-lhes armas para a defesa própria e dos seus alunos; consolidando, assim,  "the shooting generation" ou "a geração de disparos em massa". Ao que os docentes retrucaram: "Sou professor, não, um sniper shotting". Acrescentar-se-ia ao currículo a disciplina "tiro ao alvo"? Ao que, cinicamente, o potentado capital da fabricação de armas arguiria: por que não !? 

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 28/03/2018

Música: Frédéric Chopin - Noturno - choppin

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php