Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos


                        Quando inundações são alegrias

          Prefiro a certeza das lembranças à incerteza do que há de acontecer ou as inundações ao meu alcance, à espera de chuva que, com tardança, haverá de cair. Era assim, no meu tempo de menino: as águas das enchentes do rio Paraíba, em Pilar, inundavam o sítio, o quintal da minha casa. Sonhava com aquela visão maravilhosa: as mangueiras mostravam suas copas de fora; e concorria com elas a alta e frondosa barriguda, que não parava de soltar suas sementes aladas; desapareciam as bananeiras e até as baixas laranjeiras e os pequenos coqueiros. A alegria não era tanto a inundação, considerando que o rio parecia vir à minha casa, convidar-me para tomar banho, ali, pertinho, distante do perigo da sua correnteza.
       À boquinha da noite, tia Dulce aproveitava aquele cenário para substituir as histórias de Trancoso pela a do dilúvio: Noé com seu grande barco, fazendo o milagre de juntar, num mesmo salão, bichos ferozes, gente como a gente,  leões, onças, cachorros selvagens, gatos, ratos, cobras e lagartos. Mas, depois que a pombinha trouxe  o ramo de oliveira, dando sinal de "terra à vista", e os animais, descendo da nave,  pisaram no chão, a briga voltou ao normal, sobretudo entre os homens... A moral da história era que inundação, no sítio, não era castigo, como o dilúvio; apenas  muita chuva e muita água que  não passavam de um aviso, incomparável com o dilúvio, o verdadeiro castigo que não deu alegria, mas medo.
          Temor, quase como nas inundações que derrubam as pontes, invadem as ruas e entram nas casas, matam gente e bichos. A inundação do rio da minha infância entrava, devagar, no meu quintal, sem violência, avisando que estava chegando, quase como se estivesse batendo na porta , antes de entrar. Não resta dúvida que ela passava um pouco dos limites, mas tudo dentro da normalidade da natureza. Enfim, causava-nos alegria; e também à tanta gente que reclamava a falta d'água; imagine isso  no sertão, onde não havia falta d'água, mas a famigerada seca, quando e aonde as inundações são sempre bem-vindas! Mesmo sendo alegria, num alegramento é bom que haja equilíbrio e moderação; o excesso do gozo enfarta, o que seria a alegria com consequências contrárias à continuação da alegria.
         


 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 13/04/2018

Música: Splendore Di Venezia - Rondo Veneziano

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php