Damião Ramos Cavalcanti

Enquanto poeta morrer, a poesia haverá de viver

Textos



                   O amor e a tampa da cuscuzeira

          São conjuntivos que não se casam, por isso, difícil é compreender a relação entre o amor e a tampa da cuscuzeira ou do cuscuzeiro. Quanto ao amor, tudo começou quando eles se viram pela primeira vez. Olhares fatais, fulminantes, convidativos à paixão. Quanto à beleza, ele, em menores proporções; mas ela se mostrou, como dizem os italianos, “una dona che fa girare la testa” ou uma mulher que faz girar a cabeça... Ela, dondoca, acordava, espreguiçando-se, quando o mundo já estava trabalhando. Mas, tudo dentro das afinidades biológicas, psicológicas, sociais e espirituais, teorizadas como imprescindíveis à amizade e à boa convivência dos dois. E assim, o tempo corria.
          Ele, jovem profissional, acordava cedo para dar duro no batente, assim forçado a aprender a fazer o próprio café da manhã: cuscuz com ovos, fritos com uma colher de sopa de azeite, uma de sobremesa de manteiga e uma pitada de sal. Lavava rapidamente a louça suja e a frigideira. No entanto, era sem jeito para arrumá-las, nunca acertou onde guardá-las separadamente, como lhe exigia a mulher: “Cada coisa em seu lugar, caso contrário, melhor é não cozinhar”.
          Não sabia-se por qual mistério, a tampa da cuscuzeira variava de lugar e, a maioria das vezes, não era encontrada, motivando gritos da amada que, alegava ele fazer questão de irritá-la, antes de ela fazer o seu cuscuz na hora do jantar. Com tal implicância, pensou ele em parar de fazer cuscuz, mas somente isso tinha aprendido e como ir ao trabalho sem o desjejum? Era o que conseguia, já era costume, inclusive, o de não saber arrumar as coisas, sobretudo, a bendita tampa que sempre ficava fora do lugar. Certo dia, isso, juntado a outros azedumes e dissabores, fez surgir, além da gritaria, raivosa briga, cheia de ofensas e mútuas acusações. Logo à noite, quando ele voltava de um problemático dia de trabalho. Então, de repente, ele arrumou seus troços e voltou para a casa da mãe que, pacientemente, lava a louça, a cuscuzeira, a tampa e as guarda em seu devido lugar. Mãe é assim, sabe onde guardar filhos, filhas e coisas: tampas e caçarolas.

 
Damião Ramos Cavalcanti
Enviado por Damião Ramos Cavalcanti em 20/07/2018
Alterado em 20/07/2018

Música: 04-Romeiro ao Lonxe - Desconhecido

Esta obra está licenciada sob uma Licença Creative Commons. Você pode copiar, distribuir, exibir, executar, desde que seja dado crédito ao autor original (Damião Ramos Cavalcanti). Você não pode fazer uso comercial desta obra. Você não pode criar obras derivadas.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras
http://www.drc.recantodasletras.com.br/index.php